14outubro2013

Resenha: “Karma Club” – Jessica Brody

“Karma Club” é um livro totalmente voltado para um público teen que traz aos leitores uma trama engraçada e bem desenvolvida, personagens marcantes e inteligentes e um final inteligente.

Maddy é a típica garota da porta ao lado: bonitinha, inteligente, tem duas boas amigas e um namorado há dois anos, Mason. Após realizar uma surpresa e conseguir que a foto de Mason fosse publicada em uma revista, o namorado se torna popular e é claro, que a via de regra é garoto popular namora com garota popular. Dessa forma, a sinopse até já conta isso, Mason traí Maddy com Heather, deixando a Maddy desolada.

Conforme o leitor avança na leitura, é possível observar o verdadeiro caráter de Mason e Heather. Apesar da autora não focar no tema, é interessante observar o quanto realmente conhecemos as pessoas por quem estamos apaixonadas. Maddy tem uma visão do Mason que vai se desintegrando aos poucos, o que leva a garota à uma desilusão amorosa total.

A partir daí, Maddy começa a analisar que mesmo ela sendo certinha, boazinha e realizando boas ações, o Carma não está do lado dela. Na verdade, não é só ela que sofre, pois suas melhores amigas, Angie e Jade também já sofreram desilusões. Bom, se o carma não vai fazer nada, porque não dar uma forcinha a ele? E aí que é criada a Agenda oficial do Clube do Carma, onde as garotas irão bolar planos mirabolantes para auxiliar no equilíbrio cármico.

As amigas são o alicerce de Maddy, pois a apoiam incondicionalmente e apesar das três personagens terem personalidades distintas e maluquinhas, elas combinam muito bem juntas.

Os planos criados pelas garotas são hilários, cheios de criatividade e arrancam risadas do leitor. Mesmo sabendo que o que essas garotas aprontam não é correto, é impossível para o leitor não defendê-las.

Como se não bastasse tudo isso, nós temos ainda um personagem muito popular no colégio, mas meio misterioso: o Spencer.

A aproximação do Spencer com esse grupo mostrará a Maddy que talvez o Carma esteja do lado dela e de suas amigas. Spencer é bonito, popular e muito inteligente. Uma combinação fatal para qualquer pessoa.

Uma trama leve, com um enredo bem delineado.

Em relação a revisão, diagramação e layout a editora fez um bom trabalho. A capa não tem nada a ver com a trama e não é muito bonita.

“Mas sei que a mudança é inevitável. Na verdade, ela é a única coisa constante. Então não posso lutar contra ela. Não existe razão para isso. Tudo o que eu posso fazer é continuar vivendo a minha vida da melhor forma que sei e confiar que tudo vai acabar bem”. (p.262)

Edição: 1
Editora: Novo Século
ISBN: 9788576794677
Ano: 2011
Páginas: 264
Tradutor: G. Marion Rosa
Skoob: clique aqui
Avaliação: 4

Categorias:Outros
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

11outubro2013

Prodigy – Marie Lu

Nenhum de nós poderá jamais apagar as consequências das coisas que fizemos e dissemos.

Se você ainda não leu Legend, não recomendo a leitura da resenha, pois a mesma poderá conter spoilers do livro anterior.
Os leitores do Viaje na Leitura já sabem o quanto sou fã de livros distópicos, ainda mais no estilo que inclui um romance em todo o caos que esses livros trazem em seus acontecimentos.
Prodigy é assim, possui uma trama bem estruturada com uma narrativa fluente. Confesso que, o livro só não foi perfeito por conta das altas expectativas que confiei nele, era um dos livros mais esperados por mim. Mesmo assim, a leitura deslanchou do meio para o final… e que final foi esse?

“Ele é tudo o que é belo.
Ele é o raio de esperança em um mundo de escuridão.
Ele é a minha luz.”

A série de Marie Lu tem agradado e conquistado diversos fãs, ela aborda de uma forma bastante construtiva o ano futurista de 2130 onde nada é como foi um dia, o país foi dividido e há uma guerra iminente entre estas duas divisões. 
June não é mais a garota que foi um dia, ela nutre sentimentos especiais por Day e sabe que de agora em diante ele será incluído em seus planos futuros. Mas, ela não previu os acontecimentos que se seguiram e agora, em uma situação estrategicamente elaborada pela oposição, ela se vê em uma enrascada. Ela tem de assassinar o novo Eleitor, mal sabe ela que seus inimigos estão preparando uma grande cilada…
Day gosta muito de June, mas Tess, com quem conviveu muito tempo, não é mais uma menininha e aprecia o rapaz. Poderia ele deixar de amar alguém tão amiga e companheira e se enredar no complexo coração de June, a garota queridinha da república? A prodígio?
Entre desencontros amorosos, nossos personagens são colocados em situações de risco e sem estar em contato com Day, June fará o possível para que se entendam por um gesto, que pode salvar a nação.
“Minha torrente de palavras paira no silêncio entre nós. Não posso descrever a emoção do rosto dele. Alguma coisa perdida, alguma coisa arrancada do seu olhar e espalhada pelo chão. É uma tristeza profunda e séria, que me dilacera.”
A narrativa continua naquela modalidade deliciosa, temos revezadamente as versões de June e Day, essa dualidade de visões enriquece a trama.
É extremamente difícil explicar em detalhes toda a hierarquia e as divisões desse “mundo” idealizado e criado por Marie Lu, mas o leitor não terá dificuldades em compreender apreciando esta leitura, ao contrário de Legend, este livro tem um ritmo bem lento no início, começa a desenrolar do meio para o final, que é arrebatador e muito emocionante. Mal posso esperar para ler o terceiro e último volume da Série!
Impactante e surpreendente, não espere nada menos do que isso nessa trama incrível repleta de adrenalina!




Trilogia Legend

  1. Legend
  2. Prodigy
Categorias:Outros
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

30setembro2013

Resenha: BULLYING – Matando aula – L. L. SANTOS

“Bullying – matando aula” do escritor nacional L. L. Santos é um retrato do pior lado que a sociedade têm a oferecer. Através da história, o autor discute através de cenas fortes, violentas e até mesmo cruéis, problemas que o mundo enfrenta dia a dia.

“Ninguém ali sabia o que estava mesmo ocorrendo dentro de uma das salas do terceiro andar…. Tudo o que se sabia , era que um monstro havia entrado na sala de aula. Um monstro…”. (p.11)

O monstro, um homem mascarado, cheio de cicatrizes e cruel é a representação desses problemas: a prostituição, o vício em drogas, os ambientes familiares desestruturados e tóxicos.

“Ela acreditou que tinha visto os olhos por debaixo daquelas lentes redondas e escuras. E que eles diziam somente uma palavra: morte”. (p.18)

Os jovens dessa sala de aula, na maior parte deles, não demonstram uma centelha de esperança. Antes da entrada do mascarado, observamos um histórico impactante: temos prostituição de modo aberto e de conhecimento geral, um pátio que mais parece um cenário de um documentário da vida selvagem, com caça e predador, onde reina a lei dos mais fortes.

“A juventude estava perdida. Nada mais havia a fazer. A escola que deveria comportar cérebros e corpos sãos, detinha na verdade, mentes em declínio em corpos dominados pela loucura social”. (p. 60)

Um livro com uma narrativa coesa, bem desenvolvida e sem meias palavras. Todos os personagens são descritos livres de “enfeites”, trazendo em suas personalidades facetas que chegam a assustar o leitor.

“Bullying” é uma trama impactante que com certeza não irá agradar a todos os leitores. Um jogo de sobrevivência, onde aqueles que chegam até o final também não são os vencedores.

Em relação à revisão, diagramação e layout foi realizado um ótimo trabalho. Encontrei uns dois errinhos de grafia, mas nada que interferisse na leitura. A capa é totalmente relacionada ao conteúdo, deixando claro a visão geral do livro.

“Vejam as crianças que percorrem quilômetros a pé, no lombo de mulas, carroças ou no colo da mãe ou do pai. Dezenas de quilômetros para adentrarem em uma escola onde não existem telhado ou paredes. Onde a professora em muitos casos não tem uma lousa. E dá aula para uma quantidade de alunos e alunas. E muitas vezes, na mesma sala (se é que pode realmente ser chamada de sala), tem o dever de ensinar simultaneamente matérias diversas para séries diversas…”. (p. 299)

Edição: 0
Editora: Clube de Autores
ISBN: 0
Ano: 2012
Páginas: 301
Skoob: Clique aqui
Avaliação: 4/5

Categorias:Outros
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

30setembro2013

Easy – Tammara Webber

Não é difícil de saber porque gosto de livros “New Adult” ou “Young Adult”, a maioria dos leitores curte bastante o gênero, que atrai cada vez mais adeptos e fãs para os mesmos.
Easy é um exemplo do sucesso que fez, uma publicação independente que caiu no gosto popular trazendo sucesso imediato para sua autora. Livro aclamado lá fora que chegou no Brasil pela Verus Editora.
Ao contrário de muitos, eu não coloquei expectativas na leitura, o que foi extremamente bom, porque o livro me prendeu pela narrativa fluente e deliciosa, a escrita da autora prende mesmo, não parei de ler até concluir o livro (não leia de noite, senão irá madrugar como eu haha).
Soube também, que a autora tem mais livros publicados, torço para que lancem logo mais títulos da autora, porque já me tornei fã da escrita leve e concisa da autora.
A capa é bem atraente, como gosto de imaginar os personagens, não achei que se parecessem com os da capa, mas é irrelevante a minha imaginação neste livro, porque os personagens superam todas e quaisquer expectativas!
Jackie, ops, Jacqueline, odeia ser chamada pelo diminutivo do seu nome, ela tem seus motivos, largou  seu desejo de se formar em outra faculdade, para seguir seu namorado do ensino médio até aqui, ela não imaginou que o seu namoro terminaria e que seus sonhos em relação ao amor, também.
Porém, sua vida tem uma reviravolta quando após sair mais cedo de uma festa de fraternidade onde acompanhou a melhor amiga, é quase violentada por Buck. Quase, porque é salva por um rapaz misterioso, que a partir de então, aparecerá cada vez mais em seu caminho.
“Nosso coração pulsava numa cadência que a contrabaixista dentro de mim traduzia em um concerto de prazer.”  Pág.139
Lucas é um rapaz belo e misterioso, Jacqueline não conseguirá desvendá-lo antes que se apaixone por ele e vice-versa. Ambos, precisarão desvendar a si mesmos, antes de continuarem seus caminhos. 
Como o término o namoro com Kennedy afetou suas notas em economia, ela terá ainda que lidar com um tutor misterioso: Landon.
“Olhei para aquele e-mail, tentando mas não conseguindo comparar Landon e Lucas. Eles pareciam ser tão opostos como a noite e o dia, mas eu conhecia apenas metade de cada um.” Pág. 67
Poderia falar muitos dos personagens, da história e da belíssima trama idealizada pela autora, poderia falar dos temas propostos, como a violência e tantos outros, poderia falar do amadurecimento da relação, que não foi relâmpago, mas construída capítulo a capítulo, poderia falar de tantos outros assuntos, e ainda assim não fariam jus a essa obra. É muito bom ver o quanto um autor que se auto publica ganhar fãs pela sua escrita, é até mesmo um exemplo para as editoras nacionais seguirem, pois são obras que ganharam o povo por elas mesmas, não porque a autora era jornalista/atriz/blogueira/famosa, até mesmo, porque muitos manuscritos sequer são lidos. Fica a dica para as editoras apostarem mais no gosto popular, investirem em autores que já estão fazendo sucesso entre seus leitores, que eles mesmos conquistaram com suas palavras.
Recomendo!
Categorias:Outros
Thaís Turesso

veja também os relacionados: