17março2015

[Resenha] Na mira do serial killer – Série Hollows # 2 – Kim Harrison

Sinopse – Sexy, independente e obstinada. Esta é Rachel Morgan, uma das bruxas mais talentosas do mundo pós-Virada, no qual vampiros, lobisomens e outras criaturas da noite convivem abertamente com humanos. Caça-recompensas talentosa, Rachel protege as ruas de criminosos e pratica seu passatempo favorito: quebrar regras. Agora, ela precisará lutar para sobreviver ao enfrentar um perigoso serial killer de bruxos especialistas em magia negra. Em sua missão, Rachel reencontra rivais de longa data, como o chefão das drogas Trent Kalamack e o demônio que a atacou, e encara o vampiro mais poderoso da cidade enquanto tenta manter Ivy sob controle e longe de seu pescoço. Segundo volume da série Hollows.
CONTÊM SPOILERS DO PRIMEIRO LIVRO

Minha opinião – Para quem já conhece a série Hollows, sabe que a vida de Rachel Morgan não é fácil. Após se tornar uma investigadora particular, essa bruxinha se envolve em inúmeras confusões. E nesse segundo livro da série não é diferente.
O livro é narrado em primeira pessoa pela Rachel, que está trabalhando para conseguir pagar o seu aluguel em uma missão peculiar.

“… Eu já disse: computadores são como mulheres. Se gritar com eles ou pedir para fazer muitas coisas ao mesmo tempo, eles desligam sem a gente perceber.” (p. 10) 


Tudo começa com uma simples missão: resgatar um peixe, que é mascote de um time de beisebol, em um escritório cheio de lóbis. Acontece que é nesse momento que Rachel conhece Glenn um agente da FIB que trabalha para o capitão Edden.
Glenn é o tipo certinho, que age pelas regras e tem um certo receio dos Impercebidos. Sua tarefa é arrastar Rachel até o escritório do Edden, pois um caso sangrento está ocorrendo. É um personagem sério, mas que consegue arrancar risadas em determinadas cenas pela maneira como age com os demais Impercebidos e com os tomates!
Sara Jane (secretária do Kalamack no primeiro livro) vai até a FIB denunciar o desaparecimento do seu namorado Dan Smather, um feiticeiro que mexe com as linhas ley. O problema é que várias pessoas que mexem com as linhas ley estão desaparecendo e quando são encontradas bom… digamos que os cenários descritos são horripilantes!
Rachel tem certeza de que o conselheiro municipal Trent Kalamack está envolvido. Afinal de contas, ele a transformou em uma marta, a torturou e matou pessoas em sua presença. E o fato de que nem Jenks conseguiu definir o que Trent é, torna tudo ainda mais perigoso.
Mas o capitão Edden tem outra teoria, envolvendo a Dra. Anders, professora na disciplina de linhas ley na Universidade e quer que Rachel se matricule na aula. Só que a Dra Anders é uma velha conhecida, e o passado das duas não é muito feliz.
Como se isso não bastasse, Rachel lida com os dilemas do seu cotidiano: a convivência com Ivy, que a cada dia se torna mais perigosa; o seu relacionamento com Nick, um humano praticante de magia e é claro, o fato de que ela deve um favor a um demônio que salvou a sua vida. 
Ivy está mais sombria nesse livro. O controle sobre a sua sede de sangue está se esvaindo e ela sobre pressões externas para adotar um “bichinho de estimação”.
Nick é um personagem um pouco frustrante. Por ser praticante de magia, ele se acha esperto demais, mas em muitas cenas o leitor tem vontade de sacudi-lo por sua estupidez.
Jenks… é Jenks! Debochado, inteligente e com um senso de moda discutível, esse pixie ocupa as páginas com seu humor e sagacidade. A maneira como ele consegue perturbar os personagens é hilária.

” – Homens – ela disse, revirando os olhos enquanto se sentava na frente da tela novamente. – Eles não percebem que, se quiséssemos governar o mundo, nós conseguiríamos?” (p. 08)

Esse segundo livro possui uma trama bem mais densa do que o primeiro. Há várias subtramas que vão se desenrolando, inclusive sobre o passado de Rachel, a identidade de Kalamack e um final de tirar o fôlego. Temos cenas hots, cenas sangrentas e lutas.
Em “Na mira do serial Killer” temos um enredo cheio de intrigas, mentiras e descobertas. A autora adicionou um pouco mais de violência nessa continuação e deixou um final inquietante. 
Um detalhe que precisa ser ressaltado é que a revisão desse segundo livro está mil vezes melhor do que o primeiro. A editora foi cuidadosa e o resultado é perceptível.

” – Na minha opinião, você pode se Virar – eu disse com prazer.” (p. 56)

Livro 01 – Marcada para morrer – resenha
Edição: 1
Editora: Pavana
ISBN: 9788584190119
Ano: 2015
Páginas: 424
Avaliação: 4/5
Skoob: aqui

Categorias:Outros
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

16março2015

[Resenha] Paixão ao Entardecer – Os Hathaways # 05 – Lisa Kleypas

Sinopse – Mesmo sendo uma família nada tradicional, quase todos os irmãos Hathaways se casaram, até mesmo Leo, que era o mais avesso a essa ideia. Mas para a caçula Beatrix, parece não haver mais esperança. Dona de um espírito livre, apaixonada por animais e pela natureza, Beatrix se sente muito mais à vontade ao ar livre do que em salões de baile. E, embora já tenha frequentado as temporadas londrinas e até feito algum sucesso entre os rapazes, nunca foi seriamente cortejada, tampouco se encantou por nenhum deles.  Mas tudo isso pode mudar quando ela se oferece para ajudar uma amiga.  A superficial Prudence recebe uma carta de seu pretendente, o capitão Christopher Phelan, que está na frente de batalha. Mas parece que a guerra teve um forte efeito sobre ele, e seu espírito, antes muito vivaz, se tornou bastante denso e sombrio.  Prudence não tem a menor intenção de responder, mas Beatrix acha que ele merece uma palavra de apoio – mesmo depois de tê-la chamado de estranha e dito que a jovem é mais adequada aos estábulos do que aos salões. Então começa a escrever para ele e assina com o nome da amiga. Beatrix só não imaginava o poder que as palavras trocadas teriam sobre eles.  De volta como um aclamado herói de guerra, Phelan está determinado a se casar com a mulher que ama. Mas antes disso vai ter que descobrir quem ela é. 
Minha opinião – “Paixão ao entardecer” é o livro de despedida da incrível família Hathaway. Beatrix é considerada “excêntrica” até mesmo dentro de seu próprio clã, pois possui um amor incondicional pelos animais e falta de entrosamento social. Beatrix é fofa mas também introspectiva. Ela é amiga de Prudence, o modelo ideal das mulheres da época: bonita, jovem, insossa, preocupada apenas com o status social e uma das jovens mais cobiçadas para casar. Prudence foi brevemente cortejada pelo capitão Christopher Phelan, um homem de grande status social. 

Quando Phelan está em terras estrangeiras, em meio à guerra, encontra sossego ao enviar cartas ao seu anjo. Só que Prudence é superficial ao extremo e não vê vantagem em trocar cartas com alguém que está tão longe. Em um desses dias Prudence autoriza Beatrix a ler a carta recebida e a história realmente começa.
Beatrix percebe que Phelan está sofrendo, que a guerra está mexendo com ele e acaba trocando diversas cartas com Phelan em nome de Prudence.
Um bom tempo se passa e o filho pródigo retorna como um herói repleto de glória e fama. Junto com Phelan está Albert, um terrier que salvou muitos soldados, mas que encontra dificuldades em se adaptar a vida tranquila da sociedade. Phelan está à procura de Prudence, a tábua de salvação dele nos piores momentos de sua vida. 
Phelan antes da guerra era um homem da aristocracia: arrogante, mulherengo e até mesmo um pouco vazio. O pós guerra o deixou mais contemplativo e amargurado. Poderíamos até dizer que um pouco quebrado, dado as atrocidades vistas. 
A interação entre Phelan e Beatrix não é das melhores. Ele fica abismado com a maneira dela de agir, a excentricidade da família e a maneira como ele mesmo reage à jovem. Beatrix está fascinada pelo Phelan ao mesmo tempo que consegue realmente enxergá-lo: sua dor, seus traumas e seu coração.
A história de Beatrix é tão arrebatadora quanto as histórias de seus irmãos. A autora traz todo o clã Hathaway de volta nesse último livro, para que possamos nos despedir dessa família amorosa e engraçada.
A autora também conseguiu fazer com que os animais do livro ganhassem destaque com suas histórias. Albert é um ótimo exemplo disso. Ele foi à guerra, salvou vidas e voltou transtornado. Em muitos aspectos ele e Phelan são parecidos e por isso a interação entre os dois é deliciosa de se presenciar. Até mesmo a maneira como Beatrix lida com Albert é um indício de como ela sabe lidar com Phelan.
Lisa Kleypas possui uma escrita envolvente. Seus diálogos são românticos na dose certa, as mocinhas são impertinentes e fortes e os homens teimosos e sagazes.

“Não posso mais escrever para você.
Não sou quem acha que sou.
Não tinha a intenção de enviar cartas de amor, mas foi isso que elas se tornaram. No caminho até você, as palavras se transformaram nas batidas do meu coração gravadas em papel.
Volte, por favor, volte para casa e descubra quem sou.” (p.38)

Edição: 1
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580413557
Ano: 2015
Páginas: 272
Skoob: aqui
Avaliação: 5/5

Categorias:Outros
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

03março2015

Fruto da Paixão – Catherine Mann & Janice Maynard

Sinopse: 

A mulher ideal – Catherine Mann

Alexa Randall encontrou duas surpresinhas enquanto limpava o jato particular de Seth Jansen: os filhos dele! O bilionário precisa de uma babá temporária e Alexa é perfeita para o cargo. Ela quer ganhar a confiança do poderoso empresário. Por isso, aceita cuidar dos bebês durante uma viagem à deslumbrante ilha de St. Augustine. 
Erros do passado – Janice Maynard
Com um temperamento tão selvagem quanto a paisagem do Wyoming, Trent Sinclair não é conhecido por ser um homem indulgente. E ele certamente nunca perdoou Bryn Matthews por suas mentiras. Quando ela alegou estar grávida do irmão dele, seis anos atrás, Trent e toda a família viraram as costas para ela. Acreditaram que tudo não passava de um golpe. Agora, seu irmão se fora, e Bryn retornara… Acompanhada por um menino cujo semblante denunciava ter o sangue dos Sinclair. 
O livro da série Milionários e Bebês conta com duas histórias com pontos em comum: homens poderosos e crianças. Na primeira, “A mulher ideal”, conhecemos Alexa Randall, uma mulher que possui uma empresa de limpeza de aviões e que por estar na hora e no momento errado (ou não), acaba virando por um dia a babá dos gêmeos de Seth Jansen, um milionário.
Já em “Erros do passado”, conhecemos Bryn, a filha da empregada de uma família rica. Com a morte da sua mãe, ela foi acolhida pelo patriarca e seus filhos, só que quando ela alega estar grávida do caçula, é expulsa e passa a morar com a sua tia. Quando ela é chamada de volta alguns anos depois, decide provar que não estava mentindo e reivindica a herança que por direito é do seu filho.
Confesso que escolhi esse romance por conta da capa que me chamou a atenção: um bonitão segurando bebês muito fofos. Quem resiste? Mas acabei me decepcionando com o livro. O romance foi um problema nas duas histórias, não me atraiu, não me fez torcer pelo casal. Muitos “mimimis” desnecessários, problemas insignificantes, algo bem genérico. Estava tão entediada com a primeira história que no meio dela resolvi começar a ler a segunda, para ver se era melhor. Não era, mas a trama de fundo foi bem mais interessante e me fez ir até o final para descobrir todos os segredos que a família Sinclair escondia. 
No fim, foi uma leitura arrastada e demorei bastante para terminá-la em comparação com outros livros do mesmo tamanho. As duas autoras cometem alguns erros – ou são intencionais, não sei – como a repetição exagerada de certos termos e até mesmo trechos.
É o primeiro livro que leio dessa coleção, mas espero ter experiências melhores com leituras futuras.
Categorias:Outros, Resenhas
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

28fevereiro2015

[Resenha] Quando um homem ama uma mulher – A história que deu origem à família – Sullivan Os Sullivans # 10 – Bella Andre

Sinopse – Os olhos de Jack estavam mais negros, até mesmo mais intensos, do que ela se lembrava conforme ele caminhava em sua direção. Ela se esforçou para suas pernas não tremerem, e para não sair correndo direto para os braços dele.”
Para Mary Sullivan, reunir-se com os oito filhos, genros, noras e netos no chalé do Lago Tahoe é sempre um motivo de alegria. Cada um dos objetos que decoram a casa traz consigo um turbilhão de lembranças, todas elas guardadas com muito carinho em seu coração.Ao acender a lareira em mais uma noite de inverno, Mary imediatamente volta aos dias do início do seu tórrido romance com Jack, vivenciando novamente o amor que mudaria a sua vida para sempre.
Minha opinião – Após conhecer todos os filhos incríveis de Mary e Jack, a ansiedade para conhecer a história de seus pais era imensa. O livro é narrado em terceira pessoa, e começa com Mary montando a árvore de natal da família no chale do Lago Tahoe. Cada enfeite pendurado a lembra seus filhos, até chegar a um enfeite especial, que a faz relembrar a história dela com Jack.
A história dos dois se passa nos anos 70 em São Francisco. Mary é uma modelo famosa que está pensando em se aposentar, enquanto que Jack é um engenheiro que dedicou a última década da sua vida na criação de um único produto. Junto com mais dois amigos, ele conseguiu uma chance de vender o produto, porém os investidores querem que eles criem um material de marketing que seja atraente o suficiente para que as pessoas o comprem como presente de natal.
E é na última sessão de Mary, que ocorre ao ar livre, que os dois se encontram pela primeira vez. Mary fica um pouco decepcionada quando Jack a aborda para ser a garota propaganda do seu produto, mas por acreditar no invento ela acaba concordando.
A partir desse instante, a história dos dois começa a se desenrolar…
Mary é uma figura pública. Como uma modelo reconhecida internacionalmente, ela tem uma imagem que beira a perfeição, porém ninguém é perfeito e ela está cansada dos homens se aproximarem dela e se desapontarem. Seus pais queriam que ela ficasse na mesma cidade onde nasceu, se casasse e tivesse filhos. Contrariando esses desejos, Mary sempre ansiou por conhecer o mundo e  aos 19 anos de idade é descoberta por um olheiro. Ela abraça a carreira de modelo, mas acaba perdendo o contato com os pais. Italiana de coração, Mary tem o sangue quente e as vezes tem suas explosões.

” – Você tem classe. Beleza. Inteligência. – Ele apontou para si mesmo. – E tudo o que eu tenho é um diploma que demorei muitos anos para conseguir e um sonho que estou rezando para que finalmente se torne realidade um dia.” (p. 49)

Jack por sua vez, tem uma história familiar diferente. A família, incluindo seus irmãos o apoiam 100%, mesmo após tantos anos dedicados em um invento. 
O romance entre os dois é bem construído. A atração é imediata, mas o romance vai se aprofundando conforme avançamos nas páginas.
O leitor também conhece os irmãos de Jack, demonstrando que quando os Sullivans se apaixonam, é realmente pra valer.
Em relação à revisão, diagramação e layout a editora fez um bom trabalho. A capa tem um ar romântico e sensual,  e como as capas dos livros anteriores, não apresenta elementos da trama.

“- Lembre-me de procurá-lo em dois anos para ver o tamanho da sua barba.– Tudo o que você vai ter que fazer é rolar na cama e olhar para mim.” (p. 97)

Edição: 1
Editora: Novo Conceito
ISBN: 9788581636863
Ano: 2015
Páginas: 304
Skoob: clique aqui
Avaliação: 4/5

Categorias:Outros
Thaís Turesso

veja também os relacionados: