25Janeiro2018

[Resenha] Belas Adormecidas – Owen King & Stephen King

Sinopse – Pelo mundo todo, algo de estranho começa a acontecer quando as mulheres adormecem: elas são imediatamente envoltas em casulos. Se despertadas, se o casulo é rasgado e os corpos expostos, as mulheres se tornam bestiais, reagindo com fúria cega antes de voltar a dormir. Em poucos dias, quase cem por cento da população mundial feminina pegou no sono. Sozinhos e desesperados, os homens se dividem entre os que fariam de tudo para proteger as mulheres adormecidas e aqueles que querem aproveitar a crise para instaurar o caos. Grupos de homens formam as “Brigadas do Maçarico”,incendeiam em massa casulos, e em diversas partes do mundo guerras parecem prestes a eclodir. Mas na pequena cidade de Dooling as autoridades locais precisam lidar com o único caso de imunidade à doença do sono: Evie Black, uma mulher misteriosa com poderes inexplicáveis. Escrito por Stephen King e Owen King, Belas Adormecidas é um livro provocativo, dramático e corajoso, que aborda temas cada vez mais urgentes e relevantes.

“Belas Adormecidas” é narrado em terceira pessoa e dividido em três partes: Parte 1 – O velho triângulo; Parte 2: vou dormir quando morrer e Parte 3: De manhã. A sinopse explica muito bem a premissa: o que aconteceria se todas as mulheres do mundo fossem dormir e não acordassem mais? O que seria do mundo governado apenas por homens?

O foco principal da trama se passa nos Apalaches, no condado de Dooling, uma cidade pequena com suas peculiaridades. Lila Norcross é a xerife da cidade e é casada com o dr. Clinton Norcross, um homem de 48 anos de idade e psiquiatra da penitenciária feminina local. Tudo começa com algumas notícias online e nas redes sociais, que informam que do outro lado do mundo as mulheres estão adormecendo e sendo envoltas em um casulo. A notícia é assustadora, mas a princípio não é preocupante para os moradores de Dooling, afinal de contas deve ser um vírus que está causando isso no outro lado do mundo. 

As coisas começam a ficar agitadas quando Evie Black aparece nua na floresta local e invade o trailer de um traficante e o mata de forma violenta, como se fosse a coisa mais fácil de se fazer. Lila atende o chamado e resolve mandar Evie para a penitenciária feminina enquanto aguarda por mais informações, ao mesmo tempo que descobre que os primeiros casos de “Aurora” (é como a doença vai sendo chamada) acontecem nas localidades.

Lutando para se manter acordada, Lila tenta manter a cidade em ordem junto com os demais policiais, mas a situação começa a se agravar cada vez mais. Alguns homens começam a ficar atormentados com as filhas e esposas em um casulo. Alguns tentam tirá-las e provocam um surto de violência (a mulher que é retirada do casulo abruptamente fica raivosa e aparentemente sem noção do que está ao redor, atacando tudo), outros começam a beber em excesso e existem aqueles que se aproveitam do caos para realizar atos de maldade.

Os autores conseguiram explorar muito bem cada um dos personagens apresentados. O núcleo da penitenciária, por exemplo, é um dos mais marcantes e apresentam aos leitores mulheres fortes que passaram a vida toda sendo subjugadas por homens e que só conseguiram enxergar o fundo do poço ao estarem na prisão. 

Clinton, um dos personagens masculinos que aparece frequentemente é um dos poucos homens do livro que realmente se importa com as prisioneiras. Ele as enxerga como seres humanos que precisam de ajuda e orientação e tenta fazer isso de forma justa e correta. É um ato nobre, mas em meio a um sistema quebrado, onde carcereiros abusam constantemente dessas mulheres e a decência é colocada de lado, é um ato praticamente em vão.

O núcleo feminino é repleto de mulheres fortes e inteligentes, que passaram por situações complicadas, mas que aprenderam a conseguir se virar e dar a volta por cima.  Temos mães solteiras, avós, filhas, netas que representam inúmeras mulheres ao redor do mundo. 

“A internet é uma casa iluminada acima de um porão escuro com piso de terra. A falsidade cresce como cogumelos nesse porão. Alguns são gostosos; muitos são venenosos. A falsidade que começou em Cupertino, que foi declarada como fato absoluto, foi um desses venenosos.” 

O núcleo masculino também é repleto de personagens fortes, mas que muitas vezes empregam essa “força” e para impor suas decisões. Temos Frank, um oficial de controle animal que se candidatou à polícia, mas foi rejeitado. É um homem com problemas de controle, que tem explosões raivosas e violentas, mas que sempre culpa os outros pelos seus atos. Temos Don Peters, um carcereiro que abusa das prisioneiras e acredita que elas tem o dever de atender suas necessidades e não ficar reclamando. É claro que nem todos os personagens masculinos tem essa personalidade sombria. Temos Jared, filho de Lila e Clinton, um adolescente que está vivenciando o primeiro amor e que tenta ajudar a todos que cruza o seu caminho. Apesar de ser um adolescente, torna-se um guardião das mulheres adormecidas, disposto a tudo para salvar aquelas que estão sob sua responsabilidade.

“A substância que cresceu na cara de Kitty era branca e fina, grudada na pele. Fazia Clint pensar em uma mortalha. Ele conseguia ver que os olhos dela estavam fechados e que estavam se movendo no sono REM. A ideia de que ela estivesse sonhando embaixo daquela coisa o incomodava, apesar de ele não saber bem por quê.”

E temos também a história das mulheres adormecidas. O que acontece quando elas são envoltas no casulo? O livro tem inúmeros personagens, tanto que os autores dispuseram de uma lista no início do livro para que o leitor tenha uma descrição básica de cada um deles. É impossível discutir cada um deles, mas é importante ressaltar o que Evie representa. Evie aparece de repente, está sempre de bom humor, sabe coisas que não teria como saber e tem poderes extraordinários.E é claro, consegue dormir normalmente, e acordar…

O livro é muito bem escrito e também faz um grande elogio às mulheres, deixando claro que a sociedade seria completamente diferente sem a sua existência. A sensibilidade dos autores em trabalhar um tema tão delicado sem forçar a barra é maravilhoso de se ler.

“Para dormir e sonhar com mundos diferentes. As filhas meninas se juntaram a elas nesses sonhos. Os filhos meninos, não. O sonho não era para eles.”

Em relação à revisão, diagramação e layout, a Suma de Letras arrasou. A capa é simplesmente espetacular e chama a atenção.

“Tem feministas que gostam de acreditar que todos os problemas do mundo residem nos homens. Na agressividade natural dos homens. Elas tem razão, uma mulher nunca iniciou uma guerra… se bem que, pode acreditar, algumas foram por causa de uma. Mas tem umas garotas muito, muito ruins por aí. Eu não posso negar.”

ISBN-13: 9788556510518
ISBN-10: 8556510515
Ano: 2017
Páginas: 728
Idioma: português 
Editora: Suma
Skoob: clique aqui
Avaliação: 5/5

Carol Durães
Carol Durães

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Ana Carolina Venceslau dos Santos Janeiro 27, 2018

    Nunca duvide da capacidade do Stephen King em escrever novos livros e eu sabia que juntando a criatividade dele com filho sairiam ótimos resultados esse livro simplesmente me pegou em tudo pela capa pela sinopse e a ideia que se passa Então eu preciso muito desse livro o mais breve possível

  • Patricia FQ Janeiro 29, 2018

    Acho a sinopse maravilhosa mas já vi resenhas positivas e uma muito negativa, que tinha muita enrolação e o livro poderia ser bem menor.