18Janeiro2018

[Resenha] A Invasão de Tearling – A Rainha de Tearling # 2 – Erika Johansen

Sinopse – Kelsea Glynn é a rainha de Tearling. Apesar de ter apenas dezenove anos e nenhuma experiência no trono, Kelsea ficou rapidamente conhecida como uma monarca justa e corajosa. No entanto, o poder é uma faca de dois gumes. Ao interromper o comércio de escravos com o reino vizinho e tentar conseguir justiça para seu povo, ela enfurece a Rainha Vermelha, uma feiticeira poderosa com um exército imbatível. Agora, à beira de ver o Tearling invadido pelas tropas inimigas, Kelsea precisa recorrer ao passado, aos tempos de antes da Travessia, para encontrar respostas que podem dar ao seu povo uma chance de sobrevivência. Mas seu tempo está acabando… Nesta continuação de A rainha de Tearling, a incrível heroína construída por Erika Johansen volta para outra aventura cheia de magia e reviravoltas.

“A invasão de Tearling” é narrado em terceira pessoa e dividido em três partes. Após Kelsea proibir o comércio de pessoas para Mort e assumir o trono, todo o reino de Tearling está na expectativa pela invasão iminente. Afinal, a Rainha de Mort é cruel e não admite ser contrariada e o que Kelsea fez foi uma declaração de guerra. Kelsea começa a questionar suas ações e a responsabilidade de ser rainha e ter tantas vidas sob o seu cuidado. O fato de não saber controlar os poderes e o medo de se tornar uma rainha fútil, assim como foi a sua mãe começam a pairar em sua mente. Além disso, Tear não tem recursos ou armamentos suficientes para uma guerra e o massacre é o resultado mais provável. Enquanto lida com suas dúvidas e com os planos para defesa, Kelsea começa a viver uma vida dupla: em seus sonhos, ela vê uma mulher chamada Lily que vivia em Manhattan durante a pré-travessia.

“Tantas vidas para cuidar a cada dia, e, acima de tudo, o pesadelo mort no horizonte. Era uma grande responsabilidade, mas uma que pertencia a Kelsea, e, mesmo em seus momentos de maior autopiedade, ela reconhecia que tinha pedido por ela. Se soubesse de tudo isso naquele fim de tarde, quando os guardas foram até o chalé buscá-la, ela ainda teria ido com eles, e agora a responsabilidade era dela até o final.” (p. 84)

A Rainha de Mort também ganha maior destaque nessa continuação. Como Kelsea está com as duas safiras, a Rainha de Mort está cada vez mais desesperada, ainda mais que sua frágil aliança com a criatura vil está cada vez mais tênue.  Nesse livro iremos conhecer novos personagens, como Ewen, o carcereiro da Fortaleza, que tem um bom coração, mas que muitas vezes é destratado por ter certas dificuldades de raciocínio. Temos também Lilly, a personagem da pré-travessia e o próprio William Tear, pai desse novo mundo. 

O livro acaba mostrando três vertentes: a de Kelsea e sua posição sobre a invasão; a sua inimiga, a Rainha de Mort e seus planos e Lilly, mostrando a realidade pré-travessia. A autora descreveu muito bem como era o mundo antes da travessia. É interessante ressaltar o paralelo que a autora faz entre esse mundo pré-travessia e a nossa própria sociedade, inclusive um cenário que poderia ser o nosso próprio futuro.

O livro traz três protagonistas femininas fortes, cada uma delas com características distintas e fraquezas, tornando-as ainda mais humanas para os leitores. Mas o enredo também apresenta personagens masculinos que vão se destacando e ganhando cada vez mais espaço na série, como o Clava, um dos soldados de Kelsea, Ewen e o padre Tyler, que ganhou história própria e mostrou sua própria jornada.

Um dos grandes destaques dessa história foi o desfecho do livro, que simplesmente tira o fôlego e nos deixa na expectativa por sua continuação. É uma história repleta de reviravoltas e que demonstra que muitas vezes, o raciocínio vence os punhos.

Em relação à revisão, diagramação e layout, a Suma de Letras realizou um ótimo trabalho. A capa é linda e combina perfeitamente com a capa do livro anterior.

“A segunda invasão Mort tinha tudo para ser um verdadeiro massacre. De um lado estava o superior exército mort, de posse das melhores armas disponíveis no Novo Mundo e comandado por um homem que não hesitava por nada. Do outro estava o exército tear, com uma fração do tamanho e portanto armas forjadas com ferro barato que quebraria com o impacto de bom aço. As chances não eram ruins, e sim catastróficas. A ruína de Tearling era iminente.” 

ISBN-13: 9788556510471
ISBN-10: 8556510477
Ano: 2017
Páginas: 400
Idioma: português 
Editora: Suma de Letras Brasil
Skoob: clique aqui
Avaliação: 5/5 

Confiram a resenha do livro anterior:
*A Rainha de Tearling – Livro 01

Carol Durães
Carol Durães

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Ana Carolina Venceslau dos Santos Janeiro 27, 2018

    Concordo com você o final desse livro Foi simplesmente de tirar o fôlego para qualquer um sem falar em Spoilers mas esse livro me surpreendeu mais do que o primeiro ansiosa para continuar um sonho para o desfecho dessa trilogia