20novembro2017

[Resenha] Mindhunter – O primeiro caçador de Serial Killers Americano – Mark Olshaker & John Douglas

Sinopse – Em detalhes assustadores, Mindhunter mostra os bastidores de alguns dos casos mais terríveis, fascinantes e desafiadores do FBI. Durante as mais de duas décadas em que atuou no FBI, o agente especial John Douglas tornou-se uma figura lendária. Em uma época em que a expressão serial killer, assassino em série, nem existia, Douglas foi um oficial exemplar na aplicação da lei e na perseguição aos mais conhecidos e sádicos homicidas de nosso tempo. Como Jack Crawford em O Silêncio dos Inocentes, Douglas confrontou, entrevistou e estudou dezenas de serial killers e assassinos, incluindo Charles Manson, Ted Bundy e Ed Gein. Com uma habilidade fantástica de se colocar no lugar tanto da vítima quando no do criminoso, Douglas analisa cada cena de crime, revivendo as ações de um e de outro, definindo seus perfis, descrevendo seus hábitos e, sobretudo, prevendo seus próximos passos. Com a força de um thriller, ainda que terrivelmente verdadeiro, Mindhunter: o primeiro caçador de serial killers americano é um fascinante relato da vida de um agente especial do FBI e da mente dos mais perturbados assassinos em série que ele perseguiu. 

John Douglas foi o fundador e chefe da Unidade de Apoio Investigativo do FBI, onde ajudou a formar as bases da criação de perfis para auxiliar na solução de casos envolvendo serial killers. O livro foi escrito por ele e por Mark Olshaker e juntos, conseguiram escrever um prólogo e 19 capítulos para explicar ao leitor uma perspectiva fascinante e aterrorizante sobre os criminosos seriais.

Inicialmente vamos acompanhando em primeira pessoa a história pessoa do John, como foi sua infância até o momento em que ele se tornou o fundador e chefe da Unidade de Apoio Investigativo do FBI. Diferentemente do que estamos acostumados a assistir na televisão, ser uma pessoa capaz de prender assassinos seriais não é nada glamouroso. Além das tentativas de acerto e erro, John deixa claro que nem todos os casos são um sucesso e que para ser ter uma maior chance de êxito, o investigador precisa mergulhar profundamente na psicologia do assassino.

“Como resultado dessa cooperação, conseguimos prender um assassino e seu cúmplice antes que eles voltassem a cometer crimes. O chefe Reeder e sua equipe voltaram a garantir a paz em Logan Township, na Pensilvânia. E eu retornei aos meu cerca de 150 casos em aberto, esperando ter aprendido algo que pudesse me ajudar em pelo menos um deles a me colocar no lugar tanto do criminoso quanto da vítima.” (p. 182)

Com o livro narrado em primeira pessoa, o leitor é capaz de acompanhar os tormentos, dúvidas e incertezas que levaram John Douglas ao seu crescimento pessoal e a criar uma forma para prender homens extremamente perigosos. No livro é discutido sobre a personalidade dos assassinos, sobre a forma como algum deles usa o seu carisma para enganar as pessoas e sobre alguns modus operandi.

“Mindhunter” é um livro excepcional, que tem um conteúdo impactante. A forma como os autores escreveram o texto é simples e fluida e explica de forma fácil cada passo dado nas investigações e análises de perfis.

Em relação à revisão, diagramação e layout a editora realizou um ótimo trabalho. A capa chama a atenção e os detalhes das digitais em vermelho combinam perfeitamente com o conteúdo.

“Como um homem desse poderia fazer algo tão terrível? Deve haver algum engano ou agravante. É isso que você dirá a si mesmo caso converse com alguns deles; não há como compreender inteiramente a enormidade dos crimes que eles cometeram.” (p. 114)

ISBN-13: 9788551001738
ISBN-10: 8551001736
Ano: 2017
Páginas: 384
Idioma: português 
Editora: Intrínseca
Skoob: clique aqui
Avaliação: 4/5

Carol Durães
Carol Durães

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Pamela Liu novembro 28, 2017

    Oi Carol.
    Gosto muito de ver séries sobre serial killers, e gostaria de ler esse livro, antes de ver a série.
    Achei ótimo a narrativa ser em primeira pessoa. Deixa a leitura envolvente e podemos ter uma maior noção dos pensamentos e aflições do narrador.
    Espero ter a oportunidade de ler esse livro logo.
    Bjs

  • RUDYNALVA CORREIA SOARES novembro 28, 2017

    Carol!
    Confesso que vi tanta propaganda do livro da série e também tive a impressão que era uma série policial com a participação do John Douglas e não uma biogradia sobre a vida dele. Não que não goste de biografias, até gosto, mas achei que seria algo diferente.
    Como ganhei a Netflix das filhotas, vou ver se assisto a série primeiro e se gostar, leio o livro depois.
    Mas pelo jeito, ainda assim o livro foi bom na sua opinião, né? Vamos ver…
    Desejo uma ótima semana!
    “A poesia contém quase tudo que você precisa saber da vida.” (Josephine Hart)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA novembro 3 livros, 3 ganhadores, participem!

  • Ana Carolina Venceslau dos Santos dezembro 1, 2017

    Fiquei muito animada e nesse livro quando amiga minha do clube do livro Acabou me indicando por acaso fora que eu também fiquei bem encantada com o trailer da série na Netflix