26novembro2017

[Resenha] As Altas Montanhas de Portugal – Yann Martel

Sinopse – Do mesmo autor de As aventuras de Pi, esta obra mistura fábula contemporânea e conto fantástico em uma jornada de aventura, que explora o amor e a perda de modo devastador. Repleto de ternura, humor e surpresas, leva o leitor em uma viagem por Portugal do século passado – e pela alma humana. Suas três histórias, separadas por décadas no tempo, são nesta obra conectadas pela dor do luto de seus personagens, em uma metáfora que ilustra a trajetória de uma vida e sua constante busca por sentido.

“As Altas Montanhas de Portugal” é um livro de grande sensibilidade escrito pelo autor Yann Martel e traz três histórias delicadas, marcadas pela dor e o luto. São histórias que se passam em épocas diferentes, mas que demonstram que a humanidade sempre terá que lidar com a dor, a perda, o amor, a esperança e a fé.

“Sem Casa” tem como protagonista o português Tomás e se passa no ano de 1904, quando em um período de tempo muito curto, Tomás perde seu  pai, a esposa e o filho. Mergulhado em um sentimento arrasador, ele começa a se perder e quando encontra um diário falando de uma relíquia religiosa de um padre na época da catequização dos escravos, Tomás decide procurá-la na região conhecida como a região conhecida como “As Altas Montanhas de Portugal”.

“O sol não traz nenhum consolo, tampouco o sono. O alimento não mais me sacia, tampouco a companhia dos homens. Tão somente respirar é exibir um otimismo que não sinto.” (p. 74)

“Para casa” se passa no finalzinho do ano de 1938 e conta a história de Eusébio, um patologista fã dos mistérios de Agatha Cristhie. Tudo corre tranquilamente em sua vida pacata com a esposa, quando uma senhora aparece em seu trabalho com o corpo do marido e pede que ele descubra qual foi a causa da morte. Ao tentar auxiliar a viúva, Eusébio vai encontrar um caso que mudará a sua vida.

“-Agora que estou velha, o sono se tornou um mistério para mim. Consigo me lembrar de dormir, só não me lembro de como fazê-lo.” (p. 173)

“Em casa” se passa na década de 80 e tem como protagonista um senador canadense que observa sua família se despedaçar aos poucos, com as brigas, discussões e insultos. Emocionalmente dilacerado, sua vida muda em uma viagem, quando visita um pequeno zoológico e conhece Odo, o primata. Os dois tem uma conexão grande e Peter (o senador) decide jogar tudo pro alto e mudar-se para Portugal com Odo ao seu lado como companheiro e amigo, gerando grande confusão e fofoca.

“Odo se aproxima dele na janela. Num estado de grande excitação repete o que Peter acabara de dizer, ainda que em seu próprio idioma, o qual, para os ouvidos do seu companheiro e da gente reunida abaixo, resulta num grito aterrorizante.” (p. 255)

Três histórias completamente diferentes mas que tem em comum a temática. Com personagens interessantes e histórias repletas de emoção, “As Altas Montanhas de Portugal” é uma leitura prazerosa e inebriante.

ISBN-13: 9788584190546
ISBN-10: 8584190546
Ano: 2017
Páginas: 312
Idioma: português 
Editora: Tordesilhas
Skoob: clique aqui
Avaliação: 4/5

Carol Durães
Carol Durães

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • RUDYNALVA CORREIA SOARES novembro 28, 2017

    Carol!
    Três histórias diferentes, porém permeadas por dores e sofrimentos, deve ser um livro triste, não é não?
    Achei as personagens até interessantes, mas ando correndo de livros que me causem tristeza.
    Desejo uma ótima semana!
    “A poesia contém quase tudo que você precisa saber da vida.” (Josephine Hart)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA novembro 3 livros, 3 ganhadores, participem!

  • Pamela Liu novembro 28, 2017

    Oi Carol.
    Seria ótimo se as histórias se conectassem de alguma forma.
    Não me interessei pelas 3 histórias, apesar de gostar de livros mais densos e tristes.
    Achei a capa lindíssima.
    Bjs

  • Ana Carolina Venceslau dos Santos dezembro 1, 2017

    Não interessei muito em ler livros desse gênero até tentei sair da minha zona de conforto mas realmente esse não é um livro para mim