25setembro2017

[Semana Especial Piano Vermelho] Resenha Caixa de Pássaros – Não Abra os Olhos – Josh Malerman

Sinopse – Romance de estreia de Josh Malerman, Caixa de pássaros é um thriller psicológico tenso e aterrorizante, que explora a essência do medo. Uma história que vai deixar o leitor completamente sem fôlego mesmo depois de terminar de ler.  Basta uma olhadela para desencadear um impulso violento e incontrolável que acabará em suicídio. Ninguém é imune e ninguém sabe o que provoca essa reação nas pessoas. Cinco anos depois do surto ter começado, restaram poucos sobreviventes, entre eles Malorie e dois filhos pequenos. Ela sonha em fugir para um local onde a família possa ficar em segurança, mas a viagem que tem pela frente é assustadora: uma decisão errada e eles morrerão.

“Caixa de Pássaros” é um livro narrado em terceira pessoa e tem como protagonista Malorie. A trama alterna entre presente e o passado, sendo que o passado se inicia com o começo da “epidemia”. A história inicialmente se passa em Michigan, Detroit quando Malorie descobre que está grávida. Ela e sua irmã Shannon dividem uma casa e estão organizando sua vida em torno dessa novidade. Porém, os noticiários começam a apresentar um quadro terrível que está se desenvolvendo na Europa: pessoas atacando outras sem motivos, em um grau de violência aterrorizante. Segundo as notícias, o atacante vê algo do lado de fora e muda completamente seu comportamento. É uma situação inexplicável, bizarra e que começa a assustar a todos.

No presente, vemos Malorie em uma casa decaída, com duas crianças de quatro anos de idade: o Garoto e a Menina. Os três estão com os olhos vendados e estão caminhando em direção ao rio, onde irão começar uma jornada perigosa em uma jangada às cegas. Imaginem um mundo onde as crianças nunca viram o lado de fora e passam 99% do seu tempo de olhos vendados. Malorie precisou “treinar” as crianças desde cedo a ouvirem excepcionalmente bem ao invés de enxergar. 

Quando os acontecimentos se desenvolvem, Malorie vai buscar auxílio nos números e parte para uma casa comunitária, onde conhecerá várias pessoas. Essa convivência comunitária traz uma sensação de segurança, mas também é uma situação complexa, pois inúmeras personalidades diferentes confinadas em uma casa, sem poder ver o lado de fora traz muitos conflitos. Tom é o líder do grupo. É um homem equilibrado, que imediatamente forja uma conexão com Malorie e que tem um ar professoral. Temos também Olympia, uma outra mulher grávida, Cheryl, Don e Felix. São personalidades tão opostas que causam certo desconforto. Um homem paranoico, um espaço confinado, duas grávidas sem suporte médico e um exterior apavorante.

A trama foi desenvolvida de forma espetacular, pois o autor, ao mesclar passado e presente, conseguiu representar todas as nuances dos personagens envolvidos. Vemos uma Malorie jovem, ingênua e assustada com uma gravidez inesperada tendo que amadurecer precocemente para sobreviver, pois a questão principal do livro é a sobrevivência. O suspense é tão bem construído que o leitor fica em estado de tensão durante toda a leitura. São barulhos, sensações e até mesmo respirações no pescoço que criam um clima assustador.

Outro detalhe enriquecedor do livro é o fato de que Malorie não nomeia as crianças. Durante a travessia, temos o Garoto e a Menina, duas crianças de apenas quatro anos de idade que não tiveram uma infância propriamente dita e sim foram treinados arduamente para sobreviver. A travessia por si só, é uma história. Os contratempos, a geografia do rio, os barulhos, os ataques e até mesmo a interação entre os três é crua, difícil e dolorosa de se ler.

“Caixa de Pássaros” é um livro fantástico, que deixará os fãs do suspense e do terror totalmente petrificados. Em relação à revisão, diagramação e layout a editora realizou um ótimo trabalho. Existem inúmeros detalhes internos que enriquecem ainda mais o livro.

“Um dia, esta já foi uma bela casa em um belo bairro dos arredores de Detroit. Um dia, ela foi segura, perfeita para uma família. Há apenas cinco anos, um corretor de imóveis a teria exibido com orgulho. Mas, nesta manhã, as janelas estão tapadas com papelão e tábuas de madeira. Não há água corrente. Um grande balde de madeira está apoiado na bancada da cozinha. Exala um cheiro ruim. Não há brinquedos convencionais para as crianças. Pedaços da madeira de uma cadeira foram entalhados na forma de pequenos bonecos. Pintaram rostinhos neles. Os armários estão vazios. Não há quadros nas paredes. Fios passam por baixo da porta dos fundos e chegam até os quartos do primeiro andar, onde amplificadores alertam Malorie e as crianças para qualquer barulho que venha de fora da casa. Os três vivem assim. Ficam bastante tempo sem sair. E, quando saem, estão vendados.” (p. 08)

ISBN-13: 9788580576528
ISBN-10: 8580576520
Ano: 2015
Páginas: 272
Idioma: português 
Editora: Intrínseca
Skoob: clique aqui
Avaliação: 5/5

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • RUDYNALVA CORREIA SOARES setembro 30, 2017

    Carol!
    Bem bacana essa semana organizada pela editora sobre o autor dos livros.

    Um verdadeiro trhiller pós apocalíptico.
    Nossa! Também fiquei me questionando que postura teria se passasse por tudo que Malorie passa e mais, ficaria preocupada com o futuro do filho, que será dele?
    Fiquei mais do que interessada por conhecer todas as mazelas e monstros e ‘doideira’ que acontece no desenrola do livro.

    Um final de semana de muita inspiração e paz no coração!
    “Eis um teste para saber se você terminou sua missão na Terra: se você está vivo, não terminou.” (Richard Bach)
    Cheirinhos
    Rudy