20julho2017

[Resenha] Pegasus e a Rebelião dos Titãs – Olimpo em Guerra # 5 – Kate O’Hearn

Sinopse – Junte-se a Emily e Pegasus em mais uma aventura épica no Olimpo! Ao utilizar seus poderes para ajudar a amiga Alexis, Emily não imaginava que poderia reavivar a antiga guerra entre Júpiter e Saturno e, assim, ameaçar a paz no Olimpo. Agora, no entanto, os titãs têm uma arma secreta – tão poderosa quanto a Chama do Olimpo. E, com ela, Saturno pretende retomar o poder e destruir todos os que lutaram contra ele. Em meio a essa disputa que traz a mitologia antiga para os dias atuais, os poderes de Emily estão cada vez mais fracos… E, para restaurá-los, ela terá de buscar ajuda no Havaí, no vulcão Diamond Head, com os deuses Pele e Nã-Maka. Numa corrida contra o tempo, Emily e Pegasus, seu cavalo alado, terão de recuperar os seus poderes antes que os titãs ou a Unidade Central de Pesquisas os alcance.

CONTÊM SPOILERS DOS LIVROS ANTERIORES

Após voltar ao passado e se envolver na Grande Batalha entre Titãs e Olimpianos, a vida de Emily e do próprio Olimpo estão começando a entrar nos eixos. Apesar de Joel e da maioria dos olimpianos não se lembrar do que aconteceu, inclusive Pegasus, após Júpiter confirmar a história da protagonista todos estão seguindo em frente, inclusive seu pai, Steve.

Ao tentar realizar um grande favor a um amigo querido, Riza acaba criando um grande efeito dominó, com consequências catastróficas… Emily começa a sentir dores de cabeça e está sentindo-se constantemente cansada, chegando até mesmo a dormir por dias consecutivos. E a Chama do Olimpo começa a enfraquecer.

Em paralelo ao Olimpo, no Tartaro, onde os Titãs são prisioneiros, uma jovem chamada Lorin acorda de um sono profundo. Quando a Batalha entre Titãs e Olimpianos aconteceu, ela era apenas uma criança vivendo com seus pais e agora, encontra-se em um corpo de uma adolescente, com a mente de uma criança e presa atrás das grades sem entender nada. Sua tutora Phoebe, a melhor amiga de sua mãe e a única conhecida que restou, deixa claro que os culpados por tudo, inclusive a morte de seus pais, são os olimpianos.

Lorin começa a sentir-se cada vez mais revoltada e sua revolta transforma-se em poder. Conforme seu poder aumenta, o mundo como os olimpianos e os humanos conhecem pode estar chegando ao fim…

Dessa vez não é apenas o Olimpo e seus habitantes que estão em perigo. Emily e Riza, a última Xan estão correndo risco de vida e o tempo está correndo. Para tentar sobreviver, ambas terão que embarcar em uma nova aventura e percorrer os quatro cantos da Terra (inclusive o Brasil!) para encontrar o que precisam.

Como eu mencionei na resenha anterior, a cada livro novos personagens se envolvem no círculo de amigos de Emily e Joel. Dessa vez, junto com Pegasus, Crisaor, Joel e Paelen, temos também Chiron, o centauro e Fawn. Chiron é forte, determinado e disposto a manter esse grupo a salvo custe o que custar. Fawn é uma habitante noturna do Olimpo. Com a pele clara e intolerância a luz solar, Fawn é uma jovem que ficou órfã junto com seus dois outros irmãos e tenta fazer de tudo para manter o que restou da família bem. Fawn e Emily se aproximam e tornam-se boas amigas e isso auxilia a Emily a enxergar um pouco mais do cotidiano do Olimpo.

“Seus olhos eram elípticos como os de uma cobra e, embora fossem negros como a noite, faiscavam e brilhavam. Seus traços eram angulosos, mas não desagradáveis. Foi então que Emily notou  que suas orelhas eram pontudas como as dos elfos.” (p. 14)

O grupo vai parar no Havaí onde vai conhecer deuses que não estão relacionados com o olimpo. Deuses fortes e protetores, mas que precisam lidar  com as próprias intrigas e traições em seu cotidiano e que não querem de forma alguma, mais problemas.

“De pé na entrada estava uma jovem usando um simples vestido longo de estampa floral e elegantes sandálias talhadas. Seu cabelo negro batia na cintura, e ela tinha uma coroa de flores brancas na cabeça. E, a julgar por sua expressão, estava furiosa.” (p. 171)

Pela primeira vez surge um personagem na série que realmente não me agradou. Lorin tem uma mente infantil, é birrenta e suas ações são desmedidas. A forma como enxerga os demais como posse é algo irritante. Porém é essa sensação de antipatia que faz com que a leitura flua bem, pois ficamos torcendo incansavelmente por nossos personagens conhecidos.

A autora realizou um final de tirar o fôlego, que trará uma mudança e tanto na direção que a história terá daqui para frente. “Pegasus e a Rebelião dos Titãs” é um livro com todos os elementos que farão o leitor se apaixonar: tem ação, aventura, reviravoltas, personagens carismáticos, personagens irritantes e um desfecho surpreendente. 

Em relação à revisão, diagramação e layout a editora realizou um ótimo trabalho. Encontrei um único errinho de digitação na página 35, mas nada que interfira na compreensão do texto.

“Pegasus relinchou de novo e encostou a cabeça nela. Ela ficou grata pelo apoio, mas, afagando seu pescoço volumoso, percebeu que aquilo não bastaria quando fosse enfrentar Lorin.” (p. 129)

CONFIRAM A RESENHA DOS LIVROS ANTERIORES
Pegasus e o Fogo do Olimpo – Livro 01
Pegasus e a Batalha pelo Olimpo – Livro 02
Pegasus e os Novos Olímpicos – Livro 03
Pegasus e as Origens do Olimpo – Livro 04

ISBN-13: 9788544105436
ISBN-10: 8544105432
Ano: 2017
Páginas: 300
Idioma: português
Editora: Leya
Skoob: clique aqui
Avaliação: 4/5

Carol Durães
Carol Durães

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *