19julho2017

[Divulgação] Lançamentos de Julho/2017 da Companhia das Letras

EDITORA SEGUINTE

 

Ninguém nasce herói, de Eric Novello – clique aqui – A verdade é que ninguém nasce herói. Mas isso não nos impede de salvar o mundo de vez em quando. Num futuro em que o Brasil é liderado por um fundamentalista religioso, o Escolhido, o simples ato de distribuir livros na rua é visto como rebeldia. Esse foi o jeito que Chuvisco encontrou para resistir e tentar mudar a sua realidade, um pouquinho que seja: ele e os amigos entregam exemplares proibidos pelo governo a quem passa pela praça Roosevelt, no centro de São Paulo, sempre atentos para o caso de algum policial aparecer. Outro perigo que precisam enfrentar enquanto tentam viver sua juventude são as milícias urbanas, como a Guarda Branca: seus integrantes perseguem diversas minorias, incentivados pelo governo. É esse grupo que Chuvisco encontra espancando um garoto nos arredores da rua Augusta. A situação obriga o jovem a agir como um verdadeiro super-herói para tentar ajudá-lo — e esse é só o começo. Aos poucos, Chuvisco percebe que terá de fazer mais do que apenas distribuir livros se quiser mudar seu futuro e o do país.

COMPANHIA DAS LETRAS

Anna Kariênina, de Liev Tolstói – clique aquiEm tradução de Rubens Figueiredo, com posfácio de Janet Malcolm, a obra-prima de Liev Tolstói retrata o caso de infidelidade da aristocrata Anna Kariênina, tendo como cenário uma Rússia decadente. “Toda a diversidade, todo o encanto, toda a beleza da vida é feita de sombra e de luz”, escreve Liev Tolstói no romance que Fiódor Dostoiévski definiu como “impecável”. Publicado originalmente em forma de fascículos entre 1875 e 1877, antes de finalmente ganhar corpo de livro em 1877, Anna Kariênina continua a causar espanto. Como pode uma obra de arte se parecer tanto com a vida? Com absoluta maestria, Tolstói conduz o leitor por um salão repleto de música, perfumes, vestidos de renda, num ambiente de imagens vívidas e quase palpáveis que têm como pano de fundo a Rússia czarista. Nessa galeria de personagens excessivamente humanos, ninguém está inteiramente a salvo de julgamento: não há heróis, tampouco fracassados, e sim pessoas complexas, ambíguas, que não se restringem a fórmulas prontas. Religião, família, política e classe social são postas à prova no trágico percurso traçado por uma aristocrata casada que, ao se envolver em um caso extraconjugal, experimenta as virtudes e as agruras de um amor profundamente conflituoso, “feito de sombra e de luz”.

No seu pescoço, de Chimamanda Ngozi Adichie – LANÇAMENTO: 25/07 – clique aquiOs contos magistrais da premiada autora do best-seller Americanah chegam ao Brasil em aguardada edição. A escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie vem conquistando um público cada vez maior, tanto no Brasil como fora dele. Em 2007, seu romance Meio sol amarelo venceu o National Book Critics Circle Award e o Orange Prize de ficção, mas foi com o romance seguinte, Americanah, que ela atingiu o volume de leitores que a alavancou para o topo das listas de mais vendidos dos Estados Unidos, onde vive atualmente. Ao trabalho de ficcionista, somou-se a expressiva e incontornável militância da autora em favor da igualdade de gêneros e raça. Agora é a vez de os leitores brasileiros conhecerem a face de contista dessa grande autora já consagrada pelas formas do romance e do ensaio. Publicado em inglês em 2009, No seu pescoço contém todos os elementos que fazem de Adichie uma das principais escritoras contemporâneas. Nos doze contos que compõem o volume, encontramos a sensibilidade da autora voltada para a temática da imigração, da desigualdade racial, dos conflitos religiosos e das relações familiares. Combinando técnicas da narrativa convencional com experimentalismo, como no conto que dá nome ao livro — escrito em segunda pessoa —, Adichie parte da perspectiva do indivíduo para atingir o universal que há em cada um de nós e, com isso, proporciona a seus leitores a experiência da empatia, bem escassa em nossos tempos.

Os últimos dias da noite, de Graham Moore – clique aquiNo fim do século XIX, um thriller eletrizante sobre gênios, inventores e a disputa pela primazia de levar a luz elétrica para o resto do mundo. Os últimos dias da noite, segundo romance do jovem talento Graham Moore, é uma trama vigorosa, inspirada em eventos e personagens reais. A história recria de maneira extraordinária a disputa que em fins do século XIX opôs o cientista sérvio Nikola Tesla e o americano Thomas Edison, inventor da lâmpada, dois dos maiores gênios da história. A briga, no entanto, não envolve apenas ciência. Quando George Westinghouse decide ser o primeiro a levar a luz elétrica para o resto dos Estados Unidos — e alcançar a glória e fazer fortuna —, Edison move contra o industrial 320 processos por quebra de patentes e cobra dele indenizações milionárias. Em meio a esse embate, e sem saber absolutamente nada sobre ciência, Paul Cravath, um jovem e inexperiente advogado, é contratado para uma missão inglória: defender Westinghouse nessa causa que todos dão como perdida. Com humor raro e excelente domínio narrativo, Graham Moore mergulha nesse universo em que gênios, cientistas e industriais colocam à prova suas vaidades e ambições, numa corrida alucinante para que, no coração da noite da América, se faça a luz.

SUMA DE LETRAS

Sempre vivemos no castelo, de Shirley Jackson – clique aquiCom um humor macabro, Sempre vivemos no castelo conta a história deliciosamente sombria da família Blackwood.Merricat Blackwood vive com a irmã Constance e o tio Julian. Há algum tempo existiam sete membros na família Blackwood, até que uma dose fatal de arsênico colocada no pote de açúcar matou quase todos. Acusada e posteriormente inocentada pelas mortes, Constance volta para a casa da família, onde Merricat a protege da hostilidade dos habitantes da cidade. Os três vivem isolados e felizes, até que o primo Charles resolve fazer uma visita que quebra o frágil equilíbrio encontrado pelas irmãs Blackwood. Merricat é a única que pressente o iminente perigo desse distúrbio, e fará o que for necessário para proteger Constance. Sempre vivemos no castelo leva o leitor a um labirinto sombrio de medo e suspense, um livro perturbador e perverso, onde o isolamento e a neurose são trabalhados com maestria por Shirley Jackson.

A hora do lobisomem, de Stephen King – clique aqui  – Uma criatura chegou a Tarker’s Mills. A hora dela é agora, o lugar dela é aqui. O primeiro grito veio de um trabalhador da ferrovia isolado pela neve, enquanto as presas do monstro dilaceravam sua garganta. No mês seguinte, um grito de êxtase e agonia vem de uma mulher atacada no próprio quarto. Agora, a cada vez que a lua cheia brilha sobre a cidade de Tarker’s Mill, surgem novas cenas de terror inimaginável. Quem será o próximo? Quando a lua cresce no céu, um terror paralisante toma os moradores da cidade. Uivos quase humanos ecoam no vento. E por todo lado as pegadas de um monstro cuja fome nunca é saciada. Um clássico de Stephen King, com as ilustrações originais de Bernie Wrightson.

O pistoleiro (A Torre Negra, vol. 1), de Stephen King – clique aqui – Em O pistoleiro, o leitor é apresentado a Roland Deschain, último descendente do clã de Gilead, e derradeiro representante de uma linhagem de implacáveis pistoleiros desaparecida desde que o Mundo Médio onde viviam “seguiu adiante”. Para evitar a completa destruição desse mundo já vazio e moribundo, Roland precisa alcançar a Torre Negra, eixo do qual depende todo o tempo e todo o espaço, e sua verdadeira obsessão, sua única razão de viver. O pistoleiro acredita que um misterioso personagem, a quem se refere como o Homem de Preto, conhece e pode revelar segredos capazes de ajudá-lo em sua busca pela Torre Negra, e por isso o persegue sem descanso. Pelo caminho, encontra pessoas que pertencem a seu ka-tet – ou seja, cujo destino está irremediavelmente ligado ao dele. Entre eles estão Alice, uma mulher que Roland encontra na desolada cidade de Tull, e Jake Chambers, um menino que foi transportado para o mundo de Roland depois de morrer em circunstâncias trágicas na Nova York de 1977. Mas a aventura se estenderá para outros lugares muito além do Mundo Médio, levando Roland a realidades que ele jamais sonhara existir. Este é o primeiro livro da série A Torre Negra, uma das obras mais ambiciosas de Stephen King, que mistura com maestria elementos de terror e fantasia épica.

O prisioneiro do céu (O Cemitério dos Livros Esquecidos, vol. 3), de Carlos Ruiz Zafón – Barcelona, 1957. É natal e os clientes são escassos na livraria Sempere & Filhos; as contas vêm se acumulando. É quando um homem com mão de porcelana visita a loja e compra o item mais caro: um exemplar raríssimo de O conde de Monte Cristo, onde deixa a dedicatória “Para Fermín Romero de Torres, que retornou de entre os mortos e tem a chave do futuro”. Este é o ponto de partida para que conheçamos mais da história de Fermín, incluindo seus anos no Castelo Montjuic, a prisão do governo Franco, na época gerenciada pelo nefasto Mauricio Valls. Com medo de que um segredo enterrado há vinte anos finalmente venha à tona, ele narra a Daniel suas tentativas de fuga da prisão, junto a um companheiro de cárcere. O prisioneiro do céu é uma história sobre prisão, tortura, inveja, traição e assassinato, onde as tramas de A sombra do vento e O jogo do anjo convergem para a resolução do enigma escondido no coração do Cemitério dos livros esquecidos.

Volume 1 – A sombra do vento: clique aqui

Volume 2 – O jogo do anjo: clique aqui

EDITORA PARALELA

O alquimista, de Paulo Coelho – clique aqui – Paulo Coelho já inspirou mais de 200 milhões de leitores por todo o mundo com este romance encantador. Esta história, brilhante em sua simplicidade e com uma sabedoria que nos estimula, é sobre um jovem pastor da Andaluzia chamado Santiago que viaja de sua cidade natal na Espanha para o deserto do Egito em busca de um tesouro escondido perto das Pirâmides. Ao longo do caminho, ele encontra uma cigana, um homem que se diz rei e um alquimista, que lhe indicam a direção para a sua busca. Ninguém sabe que tesouro é esse, ou se Santiago será capaz de ultrapassar os obstáculos de seu trajeto. Mas o que começa como uma jornada para encontrar bens mundanos se transforma na descoberta do tesouro que se encontra dentro dele mesmo. Emocionante e profundamente humano, este clássico contemporâneo é um testamento eterno do poder transformador dos nossos sonhos e da importância de ouvirmos nossos corações.

Brida, de Paulo Coelho – clique aqui – Um romance inspirador que mistura amor, paixão e espiritualidade. Brida é uma garota apaixonada por magia, mas que busca algo além. Isso a leva a conhecer pessoas muito especiais, como um sábio que a ensina a confiar na bondade do mundo e uma mulher que lhe mostra a importância de buscar seu dom e sua alma gêmea. Seu desafio, então, passa a ser conciliar seus relacionamentos com o desejo de ser uma bruxa. Para escrever este romance, Paulo Coelho se inspirou nas histórias contadas pela jovem Brida O’Fern, irlandesa que conheceu durante sua peregrinação pelo Caminho de Roma. O resultado é uma mistura de amor, paixão, mistério e espiritualidade.

Veronika decide morrer, de Paulo Coelho – clique aqui – A emocionante história de uma jovem que decide se suicidar – apesar de todos à sua volta acreditarem que ela tinha uma vida perfeita. Neste romance extraordinário, Paulo Coelho narra, com sagacidade e sutileza a corajosa luta de uma jovem contra (e por) sua vida. Em uma história em que tudo parecia estar no caminho certo, o autor traça o destino de Veronika com infinito cuidado, tecendo o mistério de sua decisão de tirar a própria vida e cometer suicídio. No entanto, ela não morre: acorda num hospital psiquiátrico com a perspectiva médica de ter, no máximo, apenas mais uma semana de vida. O que a protagonista passa a enfrentar, então, é um jogo de espera e um mundo estranho que a levam a reavaliar sua decisão. Nas palavras do próprio autor, a Veronika do livro é ele mesmo, internado por três vezes em hospitais psiquiátricos, de onde extraiu elementos para este relato contundente sobre aceitação e loucura

Carol Durães
Carol Durães

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *