16junho2017

[Resenha] O Ceifador – Scythe # 1 – Neal Shusterman

Sinopse – Primeiro mandamento: matarás. A humanidade venceu todas as barreiras: fome, doenças, guerras, miséria… Até mesmo a morte. Agora os ceifadores são os únicos que podem pôr fim a uma vida, impedindo que o crescimento populacional vá além do limite e a Terra deixe de comportar a população por toda a eternidade. Citra e Rowan são adolescentes escolhidos como aprendizes de ceifador – papel que nenhum dos dois quer desempenhar. Para receberem o anel e o manto da Ceifa, os adolescentes precisam dominar a arte da coleta, ou seja, precisam aprender a matar. Porém, se falharem em sua missão ou se a cumplicidade no treinamento se tornar algo mais, podem colocar a própria vida em risco.

“O Ceifador” é o primeiro livro da série Scythe do autor Neal Shusterman. Narrado em terceira pessoa, a história apresenta um mundo novo, onde os seres humanos não morrem. Não existe mais preocupação com fome ou doenças e a sociedade é igualitária e o povo é governado pela Nimbo-Cúmulo.

“Acredito que as pessoas ainda temem a morte, mas apenas um centésimo do que temiam antigamente. Digo isso porque, com base nas cotas, a chance de uma pessoa ser coletada dentro dos próximos cem anos, é de apenas um por cento.”

Porém, existe a Ceifa, uma forma de controlar o crescimento populacional, para que ele não fique descontrolado. A Ceifa é gerida pelos Ceifadores e tem como objetivo realizar a Coleta, que é o fenômeno da morte definitiva.

“As atividades da Nimbo-Cúmulo não são da minha conta. O objetivo dela é sustentar a humanidade. O meu é moldar a humanidade. A Nimbo-Cúmulo é a raiz, e eu sou a tesoura de poda, moldando os galhos, mantendo a árvore viva.”

A obra é repleta de peculiaridades próprias, que são explicadas de forma detalhada nesse primeiro livro. É por conta dessas inúmeras explicações que o início de “O Ceifador” é um pouco arrastado e até mesmo cansativo. Porém, tais explicações são essenciais para o entendimento do enredo.

Citra e Rowan são recrutados pelo Ceifador Faraday para se tornarem aprendizes. Inicialmente, os dois ficam receosos com a proposta, mas após analisar as vantagens proporcionadas, acabam aceitando a tarefa.

Conforme eles vão se habituando a nova realidade e aprendendo as regras para se tornarem um ceifador, eles vão observando que existem indivíduos que não cumprem as regras, mas mais do que isso, sentem prazer em ceifar uma vida.

“[…] ser um ceifador significa ser um ceifador em todas as horas de todos os dias. Isso define a pessoa até o âmago de seu ser, e apenas nos sonhos se é livre do jugo.”

Ao perceberem o que está acontecendo, esses dois jovens se envolvem em uma situação inesperada e precisarão usar a astúcia para conseguir se livrar daqueles que desejam se manter oculto.

Os protagonistas são muito bem construídos e possuem carisma o suficiente para que o leitor fique torcendo por eles. O enredo é muito bem construído e o universo criado pelo autor é simplesmente extraordinário. Como primeiro livro de uma série, “O Ceifador” é um livro promissor e que tem um final espetacular, deixando o leitor ansioso pela sua continuação.

O trabalho editorial da Seguinte também está de parabéns. Revisão, diagramação e layout foram cuidadosamente realizados. A capa chama a atenção e combina perfeitamente com a história.

ISBN-13: 9788555340352
ISBN-10: 8555340357
Ano: 2017
Páginas: 448
Idioma: português
Editora: Seguinte
Skoob: clique aqui
Avaliação: 4/5

Carol Durães
Carol Durães

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *