11dezembro2016

[Resenha] A Deusa e o Culpado – Silvio Gomes

Sinopse

Quando uma tragédia acontece próximo a nós, temos a real noção das dores e sofrimentos que, até então, conhecemos apenas de ouvir. Mas, e quando tudo indica que a culpa da tragédia é nossa? E quando temos total convicção de que somos os culpados? Até que nível essas dores podem ser potencializadas? Como lidar com isso? Essas e outras questões são tratadas na história do Culpado e sua insistente tentativa de seguir em frente, apesar da assombração da culpa que, constantemente, o assedia. De uma forma envolvente, leve, com toques de fantasia e provocações, ”A Deusa e o Culpado” toca em dilemas existenciais que, se ainda não enfrentamos, um dia, fatalmente, ali na frente, os encontraremos.

 

 

Onde comprar?

Editora Multifoco

 

Minha Opinião

O livro inicia de um ponto bastante doloroso, um poema, uma canção de um trágico fim, ele perdeu Olívia. Quem é ele? Não há identificação para esse personagem. Então, em vários flashbacks, várias memórias vem à sua mente e ele se lembra de como a conheceu, de como a pediu em casamento, recorda-se do poema que escrevera para ela.

“A casa não era a mesma sem ela. embora eu sempre tenha sido muito fã de estar sozinho, havia mais cor quando ela aparecia de surpresa ou programada. Tudo era bem melhor com ela perto.”

Em meio a dor, o narrador destila sua culpa, seu sentimento que pesa e o derruba.

 

 “Todo mundo que tem um ente querido com depressão deve, em algum momento, sentir esse medo. Acreditaria que ela faria isso? Não! De uma vez por todas, não! e acho, justamente, que, por isso, eu não tenha dado de mim o suficiente. Acreditei que, um dia, isso tudo iria passar. Passou, mas não como eu esperava.”

Após a perca da amada, ele se sente culpado pela morte, pela partida repentina de Olívia e vai beber em um barzinho, mal chega e um senhor de aproximadamente 70 anos o aborda como se o compreendesse, ele tenta afastar gentilmente o senhor, mas acaba sendo sugado por sua experiência e sabedoria, o senhor, dono do bar, leva-o para dar uma volta na praia e ambos contam suas histórias.

A história de Sajid mostra-se bastante duvidosa a princípio, mas como este mostra algo sobrenatural a ele, ele acredita e fica espantado por vê-lo sentir-se quase que tão culpado e muito mais triste que ele.

A narrativa é bastante concisa, no entanto, a história é bem complexa porque mistura personagem principal sem identificação (ele nunca diz o nome) que perde o seu amor, e as várias vidas de Sajih procurando a linda Faizah, logo o narrador tem a oportunidade de reviver em formato de um sonho muito louco todas as coisas em diversos anos e então, no epílogo, temos uma reviravolta impactante e reveladora.

O autor não fugiu muito do estilo de seu primeiro romance Penélope, escreve da mesma forma, romance intenso, dramático e repleto de reflexões, ensinamentos que levarão o leitor a repensar muitas escolhas, inclusive suas próprias existências.

A capa não chama a atenção, durante a leitura imaginei a Deusa Estrela mais ousada e que de uma forma ou outra não poderia ser expressada em uma simples capa, ainda assim, pouco reflete para mim os desdobramentos encontrados durante a leitura.

Este é um romance original, dramático, revelador e muito impactante.

“Nosso foco é a felicidade respeitável, a paz entre vocês com autenticidade, sem máscaras, a não ser aquela que lhes permite manter suas individualidades. Fora isso, desejamos que tenham coragem, vontade, incentivo e liberdade para serem o que são. Ao mesmo tempo que encorajem, motivem, incentivem e deem liberdade ao outro para ser o que é e não o que outros exijam que seja. Porém, no seu caso, sua culpa te arruinou.”

 

 

 

Ficha Técnica

Autor: Silvio Gomes
ISBN: 978-85-92589-98-1
Ano: 2016
Páginas: 206
Gênero: Romance
Selo: Desfecho Romances

Categorias:Autor, Resenhas
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Marcelo dezembro 26, 2016

    Triste

    • Thaís Turesso Janeiro 2, 2017

      Olá Marcelo,

      Eu não consideraria triste, mas bem reflexivo, faz-nos pensar!
      Abs,