19novembro2016

[Lançamentos] Grupo Companhia das Letras

Juntando os pedaços, de Jennifer Niven

Junte um pedaço de amizade com outro de autoaceitação, mais outro de amor e ainda um de esperança — todos juntos compõem a história de Libby e Jack.

Jack tem prosopagnosia, uma doença que o impede de reconhecer o rosto das pessoas. Quando ele olha para alguém, vê os olhos, o nariz, a boca… mas não consegue juntar todas as peças do quebra-cabeça para gravar na memória. Então ele usa marcas identificadoras, como o cabelo, a cor da pele, o jeito de andar e de se vestir, para tentar distinguir seus amigos e familiares. Mas ninguém sabe disso — até o dia em que ele encontra a Libby.

Libby é nova na escola. Ela passou os últimos anos em casa, juntando os pedaços do seu coração depois da morte de sua mãe. A garota finalmente se sente pronta para voltar à vida normal, mas logo nos primeiros dias de aula é alvo de uma brincadeira cruel por causa de seu peso e vai parar na diretoria. Junto com Jack. Aos poucos essa dupla improvável se aproxima e, juntos, eles aprendem a enxergar um ao outro como ninguém antes tinha feito.

 

O livro dos cachos, de Sabrinah Giampá

“O liso é sempre mais chique e elegante!” “O cabelo enrolado não é profissional.” “Não dá para ir à festa sem fazer chapinha!”

Se você tem cachos, provavelmente escuta frases como essas desde a infância. Isso porque, em nossa sociedade, o cabelo não liso é tido como um problema que deve ser corrigido a qualquer custo. Não é à toa que o Brasil é um dos países em que mais se gasta dinheiro com tratamentos químicos de alisamento. Mas o que está por trás da suposta supremacia do liso? Quais são os males que as escovas progressivas, japonesas e afins trazem para nossa saúde? Como tratar, hidratar e estilizar nosso cabelo (e o de nossas filhas) de forma eficaz e saudável, respeitando a natureza dos fios? Em O livro dos cachos, Sabrinah Giampá – jornalista e cabelereira com especialização em cachos – responde a todas essas perguntas de maneira simples e direta. De quebra, ensina técnicas infalíveis para escolher os produtos adequados, higienizar o cabelo da maneira correta e, claro, combater o ressecamento e o tão temido frizz. Uma leitura indispensável para todas as mulheres, cacheadas ou não. E aí? Pronta para fazer as pazes com suas madeixas?

 

 

O bebê de Bridget Jones (Diários de Bridget Jones, vol. 3)

 “(O bebê adora batatas com queijo, e os fetos têm um conhecimento instintivo daquilo de que precisam.)” “Até pensei em comprar uma boneca para vestir e já ir treinando, mas seria bizarro demais, não?” “Será que eu me esforcei tanto para os caras não pensarem que gosto deles, para não parecer carente, que eles pensam que não gosto mesmo?”

Criada há mais de vinte anos, Bridget Jones continua a voz de mulheres de trinta e poucos anos ao redor do mundo, narrando os percalços da busca pelo amor verdadeiro, satisfação no emprego, decisões sobre o matrimônio e a maternidade. Este último desafio é o que a espera agora. Apesar de todos em seu redor a pressionarem, Bridget não estava planejando engravidar justamente agora. E mais: ela planejava saber quem era o pai de seu bebê. Já que as coisas nunca saem de acordo com o plano, ela aproveita o lado bom da situação e se diverte ao comprar roupas para recém-nascidos e consumir todas as batatas gratinadas possíveis. À medida que os meses se passam e a data do parto se aproxima, Bridget precisa tomar decisões e tentar descobrir quem é o pai de seu bebê. Mais divertida do que nunca, Helen Fielding apresenta mais um romance da série Bridget Jones. Reunindo os nossos personagens preferidos, sem deixar de fora Daniel Cleaver e Mark Darcy, ela prova que continua uma voz única na literatura feminina contemporânea.

 

 

 

 

Caviar é uma ova, de Gregorio Duvivier

Caviar é uma ova reúne as melhores e mais interessantes crônicas publicadas por Gregorio Duvivier, um dos autores mais inventivos do Brasil na atualidade. Gregorio é ao mesmo tempo ator, roteirista, comediante, cronista e poeta, e este livro é uma versão impressa da multiplicidade única do autor. Transitando entre ficções, memórias de infância, artigos de opinião, militância política e exercícios de estilo, o conjunto final acaba marcado pela agudeza crítica. Em pouco tempo, Gregorio se transformou numa das vozes mais ativas da esquerda brasileira, tornando-se referência por conta de sua combatividade generosa, em que a inteligência é a principal arma.

 

 

A montanha mágica, de Thomas Mann

Ansiosamente aguardado pelos leitores brasileiros, volta às livrarias o célebre romance A montanha mágica, a grande obra-prima de Thomas Mann. A nova edição tem tradução de Herbert Caro e posfácio inédito de Paulo Astor Soethe, renomado especialista na obra do autor.

Neste clássico da literatura alemã, Mann renova a tradução do Bildungsroman – o romance de formação – a partir da trajetória do jovem engenheiro Hans Castorp. Durante uma inesperada estadia em um sanatório para tuberculosos, Hans relaciona-se com uma miríade de personagens enfermos que encarnam os conflitos espirituais e ideológicos que antecedem a Primeira Guerra Mundial. Um dos grandes testamentos literários do século XX e uma das obras inesgotáveis da ficção ocidental.

Categorias:Lançamentos
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *