05outubro2016

[Resenha] Silo – Silo # 1 – Hugh Howey

silo-silo-1-hugh-howey-viaje-na-leitura

Sinopse – O que você faria se o mundo lá fora fosse fatal, se o ar que respira pudesse matá-lo? E se vivesse confinado em um lugar em que cada nascimento precisa ser precedido por uma morte, e uma escolha errada pode significar o fim de toda a humanidade?Essa é a história de Juliette. Esse é o mundo do Silo. Em uma paisagem destruída e hostil, em um futuro ao qual poucos tiveram o azar de sobreviver, uma comunidade resiste, confinada em um gigantesco silo subterrâneo. Lá dentro, mulheres e homens vivem enclausurados, sob regulamentos estritos, cercados por segredos e mentiras. Para continuar ali, eles precisam seguir as regras, mas há quem se recuse a fazer isso. Essas pessoas são as que ousam sonhar e ter esperança, e que contagiam os outros com seu otimismo. Um crime cuja punição é simples e mortal. Elas são levadas para o lado de fora. Juliette é uma dessas pessoas. E talvez seja a última. 

“Silo” é o primeiro livro da trilogia, que tem como ponto de partida uma civilização que vive em Silos gigantes, pois o mundo é inabitável. Inúmeras gerações se passaram e os habitantes não tem informações sobre o mundo exterior, além do fato de que ele é tóxico. As regras de convivência são rígidas, os casais precisam se inscrever nas loterias para se tornarem pais e nunca se deve levantar ideias subversivas, pois a punição é ser exilado para o exterior e morrer. 

O Silo é uma habitação gigantesca, com 144 andares, divididos em três seções diferentes de 48 andares cada. Cada um em seu interior possui uma função muito bem dividida e essencial à manutenção do local: separados pelas cores de seus uniformes, temos mecânicos, fazendeiros, religiosos, portadores, técnicos e tantos outros profissionais essenciais para o funcionamento da construção e manutenção da população. Ninguém se engana ao pensar que um dia poderá viver do lado de fora. Essa é uma perspectiva infundada e os habitantes são peças de uma máquina em perfeito funcionamento. Porém, as vezes as melhores máquinas apresentam defeitos.

O livro é dividido em três partes – Parte 1 – Holston; Parte 2 – A medida certa, Parte 3 – O começo, Parte 4 – A descoberta e Parte 5 – Os abandonados.

Holston é o xerife do Silo. Junto com o delegado Marnes, sua função é manter a ordem e a paz, mas no momento ele enfrenta seus próprios demônios. Há três anos sua esposa Alisson ofereceu-se para realizar a limpeza, ou seja, ir voluntariamente para fora. Uma missão suicida. Holston ainda é assombrado pelas conversas que teve com a mulher, onde suas ideias estavam desorganizadas e não faziam sentido. Só que o delegado parece ter finalmente entendido o que Alisson quis dizer e subitamente voluntaria-se também para limpeza.

Tanto a prefeita Jahns quanto o delegado Marnes são surpreendidos com sua ação, mas devem agir dentro do protocolo. Tudo está relacionado a protocolos. E agora precisam encontrar um novo delegado. Porém, o que Jahns e Marnes não sabem é que existem forças ocultas que já tem um plano em ação. Tudo pela Ordem. Os dois tem em mente Julliete/Jules, uma mecânica de 34 anos que reside nos níveis inferiores. É uma mulher de mente ágil e muito bem vista entre os seus, que é trabalhadora e esforçada, e não descansa enquanto não encontra a solução para o problema.

“- Acho que o que quero dizer é que, se forem dar um trabalho para Jules, tenham muito cuidado.

– Por quê? – perguntou Marnes.

– Porque ela vai fazer o trabalho. Mesmo que vocês na verdade não esperem que faça”. (p. 101)

Sua tenacidade não é vista com bons olhos por Bernard Holland, chefe da TI. Um homem que tem mais poder do que muitos imaginam e tem as respostas para as perguntas proibidas. 

Inicialmente, Jules está reticente em aceitar o cargo. Afinal, é uma mecânica que vive nos níveis inferiores e ser xerife é um cargo totalmente diferente, além da mudança drástica de nível. O problema é que Jules é muito boa como xerife e em apenas alguns dias começa a investigar as últimas mortes que ocorreram no Silo e se depara com respostas que colocam a sua vida em risco, assim como a de seus amigos.

Hugh Howey trouxe para esse universo distópico uma riqueza absurda de conteúdo social. A forma como a sociedade do Silo é construída, suas regras rígidas e até mesmo o aspecto psicológico são trabalhados de forma formidável. A opressão constante de ideias e pensamentos, o medo e alienação estão lado a lado com os princípios morais dos personagens.

“E ela soube que estava certa sobre o preço do envio de e-mails: eles não queriam que as pessoas conversassem. Pensar, tudo bem; os pensamentos são enterrados junto com quem pensou. Mas nada de se reunir, nada de grupos coordenados, nada de troca de ideias. (…) E quem os questionaria? Quem arriscaria ser mandado para a limpeza?”

ISBN-13: 9788580574739
ISBN-10: 8580574730
Ano: 2014
Páginas: 512
Idioma: português
Editora: Intrínseca
Skoob: clique aqui
Avaliação: 4/5

Carol Durães
Carol Durães

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *