19julho2016

[Resenha] Entre o Sol e a Lua – Ana Ferrarezzi

Sinopse:
Joana cresceu em uma cidade no interior de São Paulo e, para dar um novo
rumo à sua tumultuada vida, aceita um emprego em uma multinacional no
Rio de Janeiro. Enquanto ela enfrenta os desafios desta nova fase, Cauã –
entidade do Sol – a reencontra e a reconhece como o amor milenar dele.
Joana não tem conhecimento de que é a personificação de uma importante
entidade milenar, representada pela Lua, tampouco tem ideia de que agora
faz parte de uma perigosa batalha entre entidades indígenas e de que
irá se deparar com inimigos inimagináveis.
Surge entre eles uma paixão sem limites. No entanto, Cauã precisará unir
forças para proteger a sua amada. E quebrar o encantamento que o impede
de estar ao lado dela. Afinal, se o Sol precisa de Cauã para existir,
ele precisa de Joana para viver. Num enredo intrigante e mágico, Entre o
Sol e a Lua dá vida a personagens míticos e à encantadoras lendas,
parte do folclore brasileiro ainda pouco explorado: a mitologia
tupi-guarani.

Onde comprar?

Novo Século | Site da autora | Saraiva |

Minha opinião:

Entre o Sol e a Lua é o primeiro livro da Série Esmeralda, lançamento da autora Ana Ferrarezzi que é autora do livro O Velho Vestido de Noiva, Alma Gêmea e Imprevisibilidade.
Antes de falar sobre a história do livro e expressar a minha opinião sincera e crítica, preciso fazer uma confissão: Entre o Sol e a Lua é o melhor livro que li da autora! Acreditei que não me surpreenderia com mais nenhuma leitura singular e de beleza ímpar como em O Velho Vestido de Noiva, mas para minha surpresa, esse romance conquistou o pódio entre as obras da autora.
“Finalmente, Jaci e Guaraci puderam se encontrar! Sem perder tempo se amaram intensamente. O encontro os surpreendeu de tal maneira que não conseguiam mais se distanciar. Em consequência, o eclipse perdurou por dias.”


Joana está saindo de um relacionamento ruim, quando um amigo apresenta-lhe um panfleto de um emprego na Assendent no Rio de Janeiro, mesmo sem ter todos os requisitos do anúncio, ela parte em busca de algo novo para fugir da sua realidade.

Já no Rio, ela é estranhamente admitida para a nova função na empresa, o que a deixa confusa pela quantidade de interessados e potenciais funcionários, sendo ela a escolhida, no entanto, uma sucessão de acontecimentos vão tornando a estranheza da situação a real essência de Joana.

“De quando em quando, verdadeiras tempestades desabam sobre a face da Terra, devastando tudo que encontram pela frente. Assim também ocorreu em minha vida: de repente, fui pega por uma tempestade, algo que eu deveria ter previsto, pela quantidade absurda de sinais à minha volta.”

Narrando o presente, com flashbacks de acontecimentos do passado, a autora conta a história de Jaci (Joana) e Guaraci (Cauã), duas entidades que no princípio de tudo pouco se viam, a não ser por segundos ínfimos ao despertar de Guaraci (Sol) e ao despontar de Jaci (Lua), ele, desejando-a intensamente, procurou por Rudá, a entidade do amor. Por tempos e tempos o sistema solar ficou instável, então Rudá aconselhou-as a procurar outras formas para se amarem.

“Tudo, absolutamente tudo nesse vasto universo é possível.”

Copiando quotes preferidos do livro
Ao longo dos séculos, estas duas entidades se encontraram na forma humana, eram os mais intensos amantes, assim como os seres humanos, aconteceram muitas mágoas, traições e desavenças que além de separá-los por um bom tempo, trouxe Joana no tempo atual com uma sequela: ela não se lembra de nada.
Sem saber que é a Lua, uma entidade que renasce e se desmantela através do tempo,  Joana está cercada nesta empresa por entidades poderosas e que farão de tudo para salvá-la. Cauã, intenso e poderoso como é o próprio Sol, deseja sua amada mais que tudo, mas um simples toque sempre a desvanece. Nesse estado caótico, o leitor descobre vários tipos de entidades, seres supremos e seres em evolução, mesclando o folclore em uma fantasia atemporal e mística, a autora cria uma trama original, envolvente e maravilhosamente perfeita.

Como em todo bom enredo tem aquele personagem odioso, neste romance, o leitor vai encontrar vários. Eu, particularmente, odiei a icamiaba Priscila, que prejudicou todo o tempo nossa protagonista quando na verdade escondia um segredo maior. Sandro, o saci, é uma entidade interessante. Confesso que gostei muito da originalidade da autora em ressaltar todo o folclore brasileiro em um romance de fantasia com uma história sensacional.
“Não perceberam que a Terra foi invadida por outros três elementos, sendo que, possivelmente, um deles é mais poderoso que tempo? Não ouviram os murmúrios entre as entidades? Não se fala em outra coisa além do poderoso Guardião do tempo.”

Sem muitas expectativas em relação a leitura, confesso que fui arrebatada pela história fantástica e contundente. Com uma narrativa fluente e concisa, a autora prende o leitor com sua escrita fascinante. Com tantos personagens e nomes diferentes poderíamos nos confundir, certo? Isso não aconteceu comigo, mas a autora criou um glossário de nomes e termos próprios, está no final do livro, lá os leitores poderão entender o que são entidades, o que é Ci, desmantelar, entidades primárias e secundárias, entidades de suporte, além de poder conhecer todas as criaturas folclóricas retratadas pela fantasia de Ana Ferrarezzi.
“Você e Jaci estão ligados. As suas essências uniram-se há milênios. Assim como o Sol tem o seu ciclo, o que chamamos de máxima solar, o amor também. Ele nasce com uma faísca, sua chama cresce, explode, reduz, para posteriormente reacender novamente. Não entenda que o seu sentimento de amor por Jaci é linear. Não, meu caro… Ele é tão ardente e tão vivo como o Sol.”
O livro possui muitas páginas, o que de forma alguma o torna cansativo. Terminei a leitura na expectativa pelos próximos volumes da Série Esmeralda, que segundo a autora, devem ser lançados em breve.

Recomendadíssimo!!!!

Ficha Técnica:
Livro: Entre o Sol e a Lua
Autor(a): Ana Ferrarezzi
Editora: Novo Século
Gênero: Fantasia/Folclore/Ficção/ Romance
Páginas: 520
Ano: 2016

Sobre a Autora




ANA FERRAREZZI nasceu recentemente, no Rio de
Janeiro, aos 40 anos. Ela é psicóloga, artista plástica e escritora,
tudo ao mesmo tempo. Ora alimenta-se da beleza retratada por detrás das
artes, ora inspira-se nos folclores e nos contos. De uma forma única,
Ana os mistura e constrói algo novo e intrigante. Ela possui um estilo
interessante. Seus enredos são envolventes, bem-humorados e capazes de
transportar o leitor a um mundo completamente novo.

Facebook | Instagram | Site |Twitter
 

Categorias:Outros
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *