25abril2016

[Resenha] Série Wild Cards – Livros 01 ao 04 – George R. R. Martin

SinopseAo fim da Segunda Guerra Mundial, a Terra é salva por pouco de um meteoro alienígena. Porém, o vírus que a bomba espacial carrega cai em Nova York e, gradativamente, espalha-se pelo mundo, contaminando parte da população e dotando parte dos sobreviventes com poderes especiais. Alguns foram chamados de ases, pois receberam habilidades mentais e físicas, alguns foram amaldiçoados com alguma deficiência bizarra e, por isso, batizados de coringas. Parte desses seres, agora especiais, usava seus poderes a serviço da humanidade, enquanto outros despertaram o pior que havia dentro de si. Série criada pelo genial George R. R. Martin a partir do jogo de RPG GURPS Supers, que desenvolveu para se distrair com seus amigos. O primeiro volume conta a história dos principais personagens que povoarão as páginas desta série de 22 títulos (editada e também escrita pelo autor de As crônicas de Gelo e Fogo). 

Conforme a sinopse explica, o cenário dessa trama é o final da Segunda Guerra Mundial e a Terra é contaminada por um vírus alienígena que causa mutações. Grande parte da população morre, mas os que sobrevivem tornam-se diferentes. Uma parte deles será chamada de Ases. Os Ases são aqueles que responderam bem a mutação e adquiriram poderes e os Curingas tornam-se os marginalizados, pois a mutação causa deformação.
Cada capítulo do livro é escrito por um autor diferente e apresenta um personagem diferente, mas sempre usando o “gancho” do final da história do anterior.
Os pontos negativos disso: são diversos estilos de escrita e isso confunde um pouco durante a leitura; várias informações são ocultadas, principalmente fatos históricos, pressupondo que o leitor tenha um conhecimento anterior do assunto; a leitura se torna mais lenta, pois nem todos os personagens são cativantes.
Alguns personagens vão ganhar destaque, como o Croyd Crenson. Ele tem uma peculiaridade interessante: seu organismo adaptou-se ao vírus de forma diferente, então em um momento ele apresenta características de Ases e em outro, características de Curinga.
Com esse cenário, o governo americano começa a caçar os Ases. O fato de que eles são poderosos pode colocar em risco à boa e velha América. Então são criados “Comitês” que surgem com as “Leis das Cartas Selvagens”. Essas leis dizem basicamente que se os Ases não trabalharem como cães de guarda do governo serão vistos como inimigos e perderam os direitos de cidadãos.
Esse primeiro livro é uma apresentação dos personagens, do cenário e do que está acontecendo. Como comentado anteriormente, por ser escrito por diversos autores o texto perde um pouco de sua fluidez. Existem capítulos que são lidos rapidamente e com entusiasmo, enquanto outros vão sendo empurrados em uma tentativa de se chegar ao final.
A premissa da série é boa, mas é um pouco assustador saber que é uma série com 22 livros. Com uma série tão extensa, o negócio é cruzar os dedos e torcer para que seja publicada até o final.
ISBN-13: 9788580445107
ISBN-10: 8580445108
Ano: 2013
Páginas: 480
Idioma: português
Editora: LeYa
Skoob: clique aqui
Avaliação: 3/5

SinopseDepois do vírus alienígena, um ataque vindo do espaço. Estamos no início dos anos 1980, há mais de trinta anos a humanidade convive com os atingidos pelo xenovírus Takis-A, mas a integração ainda caminha a passos lentos. Os abençoados pelo vírus, os ases, combatem os perigos da Nova York que nunca dorme. Os amaldiçoados, com suas deformidades causadas pelo vírus, lutam pela sobrevivência no Bairro dos Curingas. E, no céu, uma ameaça espreita a humanidade, aguardando a oportunidade certa para lançar seu ataque. Um ser extraterreno chamado o Enxame ruma para a Terra, ao mesmo tempo em que alguns ases planejam uma conspiração para controlar o mundo. Entre jogos de aparências, teletransportes e irmandades envoltas em mistério, forças de ases e “limpos”, seres humanos não infectados pelo vírus, se unem para combater o monstro alienígena e a terrível Ordem que se esconde no Mosteiro de Nova York. Este segundo volume da série Wild Cards conta com a participação de novos gênios da fantasia e do próprio organizador, George R. R. Martin, autor do best-seller Crônicas de Gelo e Fogo. As cartas da humanidade estão na mesa!

Passaram-se algumas décadas desde a infestação do vírus Cartas Selvagens (Takis-A). A presença de Ases e Curingas já não é mais espantosa e de certa forma, vivem em harmonia. Porém o perigo agora é ainda maior.

 

Tiamat, uma entidade alienígena tem o planeta Terra como cenário de devastação. Tiamat também é conhecida a Mãe do Enxame e como o próprio nome diz, trata-se de um enxame orgânico. É como se vários seres se aglomerassem e tivessem uma consciência. Durante a invasão, os Ases conseguem defender o planeta, mas algumas partes desse enxame permanecem na Terra, criando inúmeros ataques diferentes. Como se não bastasse a ameaça externa, existem um grupo de indivíduos na terra, que apoia essa invasão e a destruição de todo o planeta.

 

Alguns personagens do primeiro livro, com grande destaque para o Tartaruga, tem um papel fundamental nessa continuação. Ele não é o único, mas provavelmente é o que será mai lembrado na obra. Novos personagens também irão surgir e com isso, a história irá se desenvolver.
Diferentemente do primeiro livro, o texto de “Ases nas Alturas” é bem mais fluido e coerente. Ainda existem algumas lacunas na história, mas acredito que serão respondidas aos poucos nos próximos livros.
Essa coesão permitiu uma leitura mais tranquila e até mesmo mais empolgante. O primeiro livro foi uma apresentação não apenas dos personagens, mas também do contexto histórico cultural do período em que a trama se passa. Agora, o texto tem menos referências e isso também permitiu uma maior agilidade no desenvolvimento da história.
ISBN-13: 9788580448764
ISBN-10: 858044876X
Ano: 2013
Páginas: 400
Idioma: português
Editora: LeYa
Avaliação: 4/5

SinopseVingança é a palavra de ordem. E a vida parece estar por um fio… Depois da invasão alienígena que sacudira o mundo, curingas e ases de Nova York têm muito a comemorar. E o auge dessas comemorações acontece no dia 15 de setembro, data em que outra intervenção alienígena mudou por completo a vida de todos os seres humanos e de alguns alienígenas, como de Jube e do próprio Dr. Tachyon. E também a do Astrônomo, que volta neste volume da série para uma fria e bem-calculada vingança. Neste romance-mosaico reencontramos Ira, Ceifador, Nômada, Jack, Brennan, Kid Dinossauro, Uivo e muitos outros ases e curingas que se reúnem para o Dia do Carta Selvagem. Entre roubos e buscas desesperadas, gritos supersônicos e dinossauros-mirins, o destino desses personagens é posto em xeque a cada hora deste dia, considerado um dos mais festivos para a cidade de Nova York e certamente um dos mais sangrentos desde a queda do meteoro que trouxe o vírus carta selvagem para a Terra.

“Apostas mortais” é o terceiro livro da saga Wild Cards e até o momento, o meu favorito! 40 anos se passaram desde os episódios de “O começo de tudo” e Nova York está comemorando essa data. Mas como todo vilão que se preze, nada como criar caos e terror em datas comemorativas, não é?
O Astrônomo e o General Kien acreditam que sim e os dois vão começar uma matança e tanto!
A sinopse entrega quais personagens irão participar desse livro, mas o que ela não conta é que diferentemente dos demais livros publicados até o momento, “Apostas Mortais” tem seus capítulos divididos em horas. Isso mesmo, cada capítulo representa uma hora do dia 15 de setembro e vai acompanhando os acontecimentos através das perspectivas dos heróis e vilões dessa saga.
Esse livro foi o que mais se destacou até o momento. Isso acontece porque vários desfechos vão ser dados a alguns personagens importantes e é também o encerramento de um dos ciclos de Wild Cards.
A Editora realizou um trabalho de revisão e layout excepcional e essa capa está incrível!
ISBN-13: 9788544100189
ISBN-10: 854410018X
Ano: 2014
Páginas: 400
Idioma: português
Editora: LeYa
Avaliação: 4/5

Sinopse – Uma viagem pelo mundo que pode mudar o destino da humanidade! Nova York ainda se recupera da carnificina da comemoração dos 40 anos do acidente que foi um marco na história dos Estados Unidos e do mundo. O Dia do Carta Selvagem de 1986 ficaria para a história como um dos mais sangrentos desde a chegada do vírus no planeta. Este cenário é o ponto de partida para as páginas a seguir. A grande viagem de mapeamento dos efeitos do vírus carta selvagem pelo mundo, postergada há muitos anos, é organizada às pressas pelo senador Gregg Hartmann e pela Organização Mundial de Saúde. Tirar os principais ases e curingas de Nova York e ainda realizar um programa humanitário parecia a jogada certeira para garantir a candidatura do senador à presidência dos Estados Unidos. Mas ele não esperava as consequências nefastas desta volta ao mundo a bordo da aeronave apelidada de Cartas Marcadas. Nos cinco meses de viagem, a comitiva passará por 30 países nos cinco continentes em busca dos irmãos infectados pelo carta selvagem. Das favelas haitianas aos morros cariocas, dos desertos africanos aos confins australianos, os integrantes desta jornada enfrentarão grandes desafios e muitas verdades que até então não haviam sido reveladas. E, no mundo de Wild Cards, as aparências quase sempre enganam. Acompanhe o diário de Xavier Desmond, as atitudes do prefeito do Bairro dos Curingas, e as aventuras de Dr. Tachyon, Fortunato, Crisálida, Hiram Worchester, Troll, Peregrina e outros curingas e ases nesta volta ao mundo. A cada conto dos grandes autores reunidos pelo mestre George R. R. Martin, descobre-se um pouco mais da história destes personagens e os desdobramentos imprevisíveis de sua passagem pelos quatro cantos do planeta.

A sinopse desse livro é bem explicativa. Como é possível observar, temos um contexto global nesse livro. Em “Ases pelo mundo” teremos uma trama complexa que relata os aspectos políticos, sociais e religiosos do mundo em relação ao vírus, aos ases e aos curingas.

 

“Essas questões levam tempo…. E, por mais triste que seja, existem questões de orgulho e política para se ocupar, sociedades que preferem ter seu santo patrono nomeado a ter controle sobre algo tão importante quanto o vírus carta selvagem.” (p. 144)

Enquanto o mundo ainda tenta entender como “classificar” essa mudança, observamos que as pessoas atingidas pelos vírus. Seus debates, medos e receios também são explorados nessa obra.

“Admito que tenho sentimentos conflitantes quanto aos ases, alguns deles definitivamente abusam de seus poderes. No entanto, como curinga, me vejo esperando desesperadamente que tenhamos sucesso… e temendo desesperadamente as consequências se não tivermos.” (p. 32)

A obra gira em torno de vários personagens, vivendo seus próprios conflitos. Sem dúvidas algumas cenas irão saltar aos olhos durante a leitura, principalmente aquelas que envolvem sangue e sexo.
O trabalho editorial da Leya é excelente. Da escolha da fonte à revisão, a escolha da diagramação simples com apenas alguns detalhes, tudo combinou muito bem com o conteúdo do livro.
ISBN-13: 9788544101094
ISBN-10: 8544101097
Ano: 2015
Páginas: 544
Idioma: português
Editora: LeYa
Avaliação: 4/5

 

 

Categorias:Outros
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Camila maio 5, 2016

    Quando essa série foi lançada, Carol, até me animei a ler.
    Mas 22 volumes não dá! rs…
    Beijos
    Camis – Leitora Compulsiva

  • McDaniel maio 7, 2016

    Tem quase dois anos que tento ler o primeiro volume. Achei muito misturado, ora interessante e cativante, ora chato e difícil de entender. Deixei de lado para ler outras coisas, mas vou continuar. Não estou empolgado em seguir a série completa. Mas…