11janeiro2016

[Resenha] Trilogia Birthright – Gabrielle Zevin

Sinopse – Nova York não é um lugar bacana no ano de 2083. Chocolate e café são ilegais, a água é cara e os banhos não podem ultrapassar 90 segundos, a comida é racionada, ninguém tem permissão para ter celulares, e-mails são pagos e todos os menores de 18 anos têm de obedecer a um rígido toque de recolher. Anya é filha de Leonyd Balanchine, um dos grandes chefões do crime organizado, cabeça da Balanchine Chocolate, responsável pela distribuição ilegal de chocolate e outras coisas mais, como tráfico de armas e operações pouco nobres no mercado negro. Leonyd morreu anos atrás, mas até hoje sua influência é sentida pela jovem, que apesar de querer distância dos negócios da família constantemente se vê recorrendo aos ensinamentos do pai para lidar com as situações que tem que enfrentar. E a vida de Anya não é fácil. Aos 16 anos, é ela quem cuida da avó, presa a uma cama, alimentada por tubos e definhando lentamente; do irmão, Leo, um doce rapaz de 19 anos com mentalidade de 8 desde que viu a mãe ser assassinada na sua frente; e da irmã Natty, 12 anos e verdadeiro prodígio da matemática. Entre as obrigações em casa e as tarefas da escola, Anya não tem muito tempo para se meter em encrencas sérias.
Mas tudo muda quando ela é acusada de envenenar com uma barra de chocolate seu ex-namorado, Gable Arsley. O rapaz espalhou boatos maldosos sobre Anya, razão mais que suficiente para a jovem ser considerada culpada, sobretudo quando é comprovado que a origem do chocolate está na família Balanchine. Sem nunca perder a cabeça e determinada a provar sua inocência, Anya começa a descobrir que por mais que tente é difícil fugir de sua herança: os Balanchine estão por trás de seus problemas com a lei, e ela se vê presa aos intricados negócios de seus tios e primos, gente que até gosta dela, mas que fará quase tudo para se dar bem e conseguir o que deseja.
A situação fica ainda mais complicada quando Anya se vê cada vez mais envolvida com Win Delacroix. Garoto romântico e encantador que faz lindos planos como, por exemplo, se casar com Anya, ele tem o grave defeito de ser filho de Charles Delacroix, promotor de Justiça que não quer saber de qualquer tipo de ligação com os Balanchine. Forçada a defender seus interesses e a tomar atitudes que vão contra o que acredita, cabe à menina proteger seus irmãos e impedir que seus parentes acabem destruindo uns aos outros. Nessa batalha, Anya terá a companhia de sua melhor amiga, Scarlet, mas terá que contar com seu próprio talento para a liderança e vocação para a estratégia para salvar o que ainda resta de sua família, em todos os sentidos, ainda que o preço a pagar seja alto demais.

Narrado em primeira pessoa pela protagonista Anya Balanchine, “Todas as coisas que eu já fiz” é uma trama futurista mas com elementos atuais. Conforme a sinopse explica, o ano de 2083 é repleto de proibições e restrições. Anya e seus dois irmãos, Leo e Natty, são herdeiros da Balanchine Chocolate. Apesar de ser de uma família de criminosos, Anya é certinha e uma boa católica, mais focada em cuidar de seus irmãos e avó do que entrar para os negócios da família. 
Leo é o mais velho dos três, mas não é totalmente capaz de tomar as decisões. Porém, a família sabe que colocá-lo nos negócios pode ser interessante. Ele é doce e inocente, mas apesar do seu bom coração não consegue ver o que realmente está acontecendo. 
Natty, apesar de ser uma criança, é extremamente sagaz e inteligente. Tem um ar romântico e torce pela felicidade da irmã, mas ainda não entende bem o que realmente está em jogo quando o assunto é a Família.
A trama gira em torno de diversas trapaças e como um jogo de xadrez, Anya precisa pensar sempre uma jogada na frente. Ela quer evitar de todas as formas se envolver com os negócios, mas os parentes não vão deixar isso acontecer. Anya é altruísta e tudo o que faz é pensando no que é melhor para Leo e Natty. Apesar de jovem, as responsabilidades pesam em suas costas e ela é muito madura. Ela é bem prática e a presença de Win no seu mundo a desestabiliza. 
Win é filho do implacável Charles Delacroix. Charles é o novo promotor de Nova York e está determinado a limpar a cidade dos criminosos e mafiosos. Seu filho Win é sonhador, generoso e bondoso. Ele não liga para os rumores ou para o fato de que Anya é a princesa da máfia. Ele enxerga a garota que se sacrifica pela família e faz de tudo por aqueles que considera, como Scarlet.
Scarlet dá um pouco de drama juvenil à trama. É jovem, uma melhor amiga leal e companheira, mas tem os devaneios da idade: paixonites e fofocas escolares.
“Todas as coisas que eu já fiz” é uma trama forte, impactante e inesquecível. Os personagens são marcantes e o enredo é muito bem desenvolvido. 
Em relação à revisão, diagramação e layout a editora realizou um bom trabalho.
ISBN-13: 9788579801150
ISBN-10: 857980115X
Ano: 2012 
Páginas: 384
Idioma: português 
Editora: Rocco
Skoob: clique aqui
Avaliação: 5/5
Sinopse – Continuação do elogiado Todas as coisas que eu já fiz, eleito melhor livro juvenil em 2011 pelo site BookPage, Está no meu sangue traz de volta a jovem Anya Balanchine frente a situações que vão testar sua coragem e seu coração, na Nova York do futuro, empobrecida e perigosa, criada pela autora Gabielle Zevin. Filha de um dos grandes chefões do crime organizado, responsável pela venda ilegal de chocolate e outros itens proibidos, Anya queria apenas levar uma vida normal. Mas o destino parece ter outros planos para ela, nesta trama de distopia repleta de ação que traz profundas reflexões sobre amor, família, ética e amizade.

No final do primeiro livro, Anya fez o sacrifício final para salvar seu irmão: realizou um acordo com Charles Delacroix e está cumprindo pena na Instituição para Menores Infratores Liberty. O acordo é simples: ela cumpre a pena e fica longe do Win e Charles deixará tudo de lado. 
Claro que para salvar Leo e manter Natty no seu caminho, a protagonista aceita o acordo sem hesitar. Mas o grande problema é o que vai acontecer depois que ela cumprir a pena. Expulsa da escola e tendo uma ficha, como será o futuro de Anya?
A organização Balanchine está passando por mudanças. Existe uma guerra pelo poder e comando da Família e os atuais líderes estão sendo apunhalados pelas costas pelas pessoas que menos se imaginam. 
E mais uma vez Anya se vê envolvida nos problemas da Organização, deixando claro que ter uma vida “normal” está cada vez mais longe da realidade. 
Talvez seja a hora de encarar a verdade e começar a aprender sobre o negócio da família. Alguns eventos ocorrem e Anya vai se refugiar no México, onde se hospedará em uma fazenda de cacau. É nesse momento que Anya dedica-se com afinco a entender a importância sobre o cacau, desde a sua plantação até o momento em que vai ser industrializado.
Lá ela conhece Theo, um galanteador nato, mas expert sobre o cacau e que tem uma visão clara sobre a importância da família.
Esse segundo livro traz novos personagens e um enredo ainda melhor do que o primeiro livro, pois os desdobramentos das manipulações anteriores vão sendo revelados. 
Até mesmo Scarlet começa a ter uma história própria e percebe que viver no mundo dos contos de fadas pode ter um resultado inesperado. 
Em relação à revisão, diagramação e layout a editora fez um bom trabalho. A capa é bonita, mas bem diferente do primeiro livro.

ISBN-13: 9788579801617
ISBN-10: 8579801613
Ano: 2013 
Páginas: 384
Idioma: português 
Editora: Rocco 
Avaliação: 5/5
Sinopse – Em uma Nova York futurista, onde o chocolate e a cafeína são proibidos e uma série de restrições é imposta diariamente à população, Gabrielle Zevin volta ao mundo de Anya Balanchine, a determinada protagonista da trilogia Birthright, que chega ao fim com Na era do amor e do chocolate. Às vésperas de completar 18 anos, a filha de um dos chefões da máfia do chocolate decide se libertar das amarras da empresa de sua família e abrir seu próprio negócio, pondo em risco sua própria vida e a segurança de seus irmãos, unindo-se a um antigo inimigo. Depois de Todas as coisas que eu já fiz e Está no meu sangue, Anya Balanchine continua surpreendendo o leitor com sua força e coragem e entra de vez para o rol das grandes heroínas da atual literatura jovem.

Que desfecho!! Ao terminar de ler “Na era do amor e do chocolate” tudo o que consegui pensar é que Gabrielle Zevin criou uma história espetacular, de uma garota que desde cedo aprendeu o significado da palavra “sacrifício”. Anya não é mais uma jovem e sim uma mulher de negócios. Seu plano de legalizar o chocolate é fantástico e seus negócios estão prosperando de tal forma que começam a causar desconforto para as outras famílias. 
Honrar o nome do pai pode levar Anya a correr ainda mais riscos. Mas a protagonista ainda conta com alguns amigos, como Theo, que saiu do México e foi até NY auxiliá-la e até mesmo Scarlet, que apesar de estar passando por diversos problemas com sua vida pessoal, ainda se mantêm uma boa amiga.
O interessante nesse terceiro livro são as passagens de tempo. A forma como a trama foi construída, proporciona ao leitor a sensação de tempo decorrido e não temos a sensação de que o enredo foi apressado ou pobremente desenvolvido.
Para aqueles leitores que gostam protagonistas fortes e determinadas, que abrem mão de toda a felicidade por aqueles que ama, sem dúvida precisam conhecer Anya Balanchine.
Alguns personagens foram surpreendentes na reta final, mas o principal deles, sem dúvida, foi Charles Delacroix . Charles foi o exemplo de redenção e demonstração de formação de caráter durante a leitura. Isso não o torna um personagem querido, mas alegra o coração saber que até mesmo os mais egoístas podem ter uma mudança no coração.
O enredo inteiro gira em torno do crescimento pessoal e maturidade de Anya. Ela é o exemplo perfeito de personagens capazes de qualquer coisa para proteger alguém. Essa característica de sua personalidade a torna amada pelos leitores, apesar de que abrir mão da sua felicidade pessoal o tempo inteiro é um pouco frustrante para o leitor.
Outra personagem que se destacou nessa obra foi Natty. Natty começa “Todas as coisas que eu já fiz” como uma criança precoce e finaliza a série como uma jovem madura e sensata. 
A trilogia Birthright tem todos os elementos para se tornar uma série inesquecível : um enredo forte e consistente, uma protagonista determinada e personagens marcantes!
ISBN-13: 9788579802393
ISBN-10: 8579802393
Ano: 2015 
Páginas: 304
Idioma: português 
Editora: Rocco
Avaliação: 5/5 

Categorias:Outros, Resenhas
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *