18janeiro2016

[Resenha] As Vidas e As Mortes de Frankenstein – Jeanette Rozsas

Sinopse – Escapar da morte, viver para sempre… O que antes parecia apenas fantasia ou ficção científica, hoje está sendo procurado nos principais centros de pesquisa do mundo. Neste romance, Jeanette Rozsas reúne personagens reais e ficcionais para tratar de uma questão polêmica: a fim de vencer a morte, a ciência pode passar por cima de tudo, até mesmo da moral e da ética? Esse é o estranho vínculo que aproxima intimamente, mas em épocas diferentes, uma jovem pesquisadora brasileira trabalhando na Alemanha, três importantes escritores ingleses do século XIX e um famoso alquimista do século XVII e seu ingênuo discípulo.

Sempre que Frankenstein é citado, pensamos na história clássica conhecida por todos. Em “As vidas e as mortes de Frankenstein” temos uma história com visão diferenciada.
A morte é um tema delicado que ainda mexe com a imaginação de muitos e a busca pela imortalidade ainda é um sonho para milhões. Jeanette Rozsas explora muito bem esse tema em três períodos. 
No primeiro, somos apresentados a uma jovem cientista brasileira, Elizabeth Medeiros, que trabalha com transgênicos em um avançado centro de pesquisa alemão. Posteriormente, no século XIX, temos os escritores ingleses Lord Byron, Mary e Percy. No terceiro plano está o jovem Max Muller e seu mestre, buscando secretamente o elixir da vida eterna.
As histórias compartilham elementos, como a reflexão do uso da ciência e a discussão da ética.
“Max não conseguia tirar os olhos do local onde ocorria a tortura.
— Ele está vivo, mestre… – conseguiu balbuciar.
— Sim, claro que está vivo! Está servindo de cobaia para meus experimentos, ora.
— Mas isso é maldade – exclamou Max, arrependendo-se imediatamente do aparte. Como ousava questionar o mestre sobre sua conduta?”
O enredo é construído de forma que as três histórias tão distintas se unem de forma a criar uma história única e coesa. A escrita é fluida e o texto de Jeanett Rozsas é viciante. Os personagens são marcantes, pois apresentam a dicotomia do ser humano.
“Em torno do castelo, várias histórias corriam sussurradas, dando conta de malfeitos e crueldades, de fantasmas e aparições. Mas do lado de dentro daquela verdadeira fortaleza, ninguém, nenhum empregado, era autorizado a alimentar a boataria. Mesmo quando indagados por suas famílias, mantinham-se num obstinado silêncio, temerosos de perder seus empregos ou amedrontados pelas coisas inexplicáveis que lá ocorriam”. (p. 29)
Em relação à revisão, diagramação e layout a editora realizou um excelente trabalho. A capa combina perfeitamente com o conteúdo.
ISBN-13: 9788581303277
ISBN-10: 8581303277
Ano: 2015
Páginas: 176
Idioma: português
Editora: Geração
Skoob: clique aqui
Avaliação: 4/5

Categorias:Outros, Resenhas
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Camila janeiro 19, 2016

    Oi, Carol.
    Jà tinha visto a capa desse livro, mas não tinha ideia do que se tratava!
    Deve ser interessante!!!
    beijos
    Camis – Leitora Compulsiva