26outubro2015

[Divulgação] Semana Proibido

Sinopse – Ela é doce, sensível e extremamente sofrida: tem dezesseis anos, mas a maturidade de uma mulher marcada pelas provações e privações da pobreza, o pulso forte e a têmpera de quem cria os irmãos menores como filhos há anos, e só uma pessoa conhece a mágoa e a abnegação que se escondem por trás de seus tristes olhos azuis. Ele é brilhante, generoso e altamente responsável: tem dezessete anos, mas a fibra e o senso de dever de um pai de família, lutando contra tudo e contra todos para mantê-la unida, e só uma pessoa conhece a grandeza e a força de caráter que se escondem por trás daqueles intensos olhos verdes. Eles são irmão e irmã. Com extrema sutileza psicológica e sensibilidade poética, cenas de inesquecível beleza visual e diálogos de porte dramatúrgico, Suzuma tece uma tapeçaria visceralmente humana, fazendo pouco a pouco aflorar dos fios simples do quotidiano um assombroso mito eterno em toda a sua riqueza, mistério e profundidade.


QUOTES 
“Só com Maya posso realmente ser eu mesmo.
Nós carregamos esse fardo juntos e ela está sempre ao meu lado, sempre ao meu
lado. Não quero precisar dela, depender dela, mas preciso e dependo, não resta
a menor dúvida.”

“Mas como explicar ao mundo exterior que
Lochan e eu somos irmãos apenas por causa de acidente biológico? Que nunca
fomos irmãos na acepção da palavra, mas sempre parceiros, tendo que criar uma
família real à medida que crescíamos? Como explicar que jamais senti Lochan
como irmão e sim como algo muito, muito além disso — minha alma gêmea, meu
melhor amigo, parte das próprias fibras do meu ser? Como explicar essa
situação, o amor que sentimos um pelo outro — tudo que aos olhos da sociedade
pode parecer doentio, pervertido e repulsivo —, para nós é totalmente natural,
maravilhoso e.. tão certo?”

“Juntos choramos e confortamos um ao
outro. Juntos carregamos um fardo inexplicável aos olhos do mundo. Demos força
um aos outro. Sempre nos amamos, e agora queremos poder nos amar fisicamente
também.”

“No fim das contas, o que importa mesmo
é o quanto você pode suportar, o quanto pode resistir. Juntos, não fazemos mal
a ninguém; separados, nós definhamos.”

“Você sempre foi meu melhor amigo, minha
alma gêmea, e agora eu estou apaixonada por você também. Por que isso é um
crime?”

“Você pode fechar os olhos para as coisas que
não quer ver, mas não pode fechar o coração para as coisas que não quer
sentir”.

“Nosso amor realmente estava destinado a
causar tanta desgraça, tanta destruição e desespero?”
RESENHAS


Amei Proibido infinitamente, ele me destruiu, me arrebatou e não, não me
revigorou, e talvez tenha sido o motivo de não ter me revigorado que o tornou
tão marcante e inesquecível. Entrou para a lista de favoritos com certeza.
Espero que vocês deem uma chance a Lochan e Maya, e que descubram que nem tudo
que é errado é incerto. – BLOG A CULPA É
DOS LEITORES

Não é difícil entender como os dois se apaixonaram. A
situação na casa deles, a forma com a qual foram criados, o quanto eles tiveram
que crescer em tão pouco tempo, como eles só tinham um ao outro para se apoiar.
Como eles foram negligenciados e excluídos, como eles sentiam como se não
fossem desejados ou amados. Como se não fossem bons o suficiente para o pai,
como se fossem um peso morto para a mãe.
Não é, realmente, difícil entender como eles chegaram até ali. Como as
personalidades deles se moldaram. Mas ao mesmo tempo, é tão difícil imaginar se
eles se amaram por causa de tudo isso, ou apesar de tudo isso. – BLOG SÓ MAIS UM 



Mas nada no mundo poderia me preparar para a verdadeira tempestade de
tristeza e miséria e sofrimento que Tabitha Suzuma preparou em seu romance. A
leitura me deixou com dor física, pois a tensão pelos personagens, suas vidas e
o envolvimento de ambos mexia internamente comigo. Mesmo lendo rápido, eu
ficava longos períodos sem chegar perto dele, pois sabia que cada capítulo iria
conseguir me machucar mais do que o anterior. E foi exatamente assim, do início
ao fim. – BLOG NA MINHA ESTANTE


Quando terminei esse livro eu fiquei tão envolvida com os sentimentos
intensos de Lochan e Maya que eu não conseguia parar de chorar. Eu ia dormir e
na cama lembrava de algo do livro e desandava a chorar.
Por isso, não terminem esse livro em locais públicos para não pagarem mico. É
sério. – PERDIDAS NA BIBLIOTECA

Categorias:Outros
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • RUDYNALVA outubro 29, 2015

    Carol!
    Tenho o livro aqui para leitura mas ainda não tive oportunidade de fazê-la, espero em breve poder acompanhar a saga desses irmãos.
    “Tudo é precioso para aquele que foi, por muito tempo, privado de tudo.”(Friedrich Nietzsche)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista, serão 3 ganhadores!

  • Mariana Ogawa outubro 31, 2015

    valeu pela dica de evitar ler o livro em locais públicos, basta o povo ficar olhando p mim quando eu estou lendo algo divertido.enfim, desde que eu vi o resumo achei a história muito interessante,mas parece ser muito drama p mim…. já tô quase sofrendo por causa do personagens só de ler a resenha… mas assim q eu tiver um pouco mais forte eu vou conhecer os irmãos