12agosto2015

[Resenha] A Estrela – Jennifer duBois

Sinopse – Uma jovem norte-americana é presa na Argentina, acusada de assassinato. E sua inocência parece cada vez mais improvável. Eleito livro do ano por veículos como Salon e Cosmopolitan, A estrela, da promissora Jennifer duBois, surpreende com um suspense digno dos grandes mestres. Inspirado no caso real de Amanda Knox, americana acusada de matar sua colega de quarto na Itália, o romance é um thriller psicológico vigoroso e de rara sutileza moral. À medida que as investigações sobre a morte de Katy Kellers avançam, sua ex-colega de quarto Lily Hayes aparece ora como suspeita, ora como inocente, deixando o leitor em suspense até a última página.

Narrado em terceira pessoa e ambientado em Buenos Aires, “A Estrela” é um thriller psicológico cheio de nuances, que desperta a curiosidade do leitor.

Para começar a história não é contada de modo linear. Os capítulos intercalam entre a prisão de Lily e trechos onde descreve como conheceu Katy, a casa onde ficava, seu relacionamento com Sebastien e muito mais. A perspectiva da narrativa também não é única. Quatro personagens são nossos guias nessa história: Andrew, o pai de Lily, que chega à Buenos Aires com a filhinha Anna; Eduardo Campos, o promotor público que está convicto da culpabilidade de Lily, a própria Lily e Sebastien, seu affair.

O modo como a trama foi estruturada aponta para os principais desafetos ocorridos entre Lily e Katy, e também as ações de Lily que causaram confusões em sua vida. 

O que atrai na leitura é o comportamento de Lily. As evidências e seus atos a fazem parecer uma psicopata, capaz de ir a um extremo ao outro em questão de segundos. Mas será que isso é o bastante para confirmar com certeza absoluta que ela tirou a vida de Katy?

Em relação à revisão, diagramação e layout, a editora realizou um ótimo trabalho. A capa é interessante, mas não diz muito sobre à trama. 

“Nós soubemos, quando vimos a gravação do vídeo de segurança, dela junto dos preservativos – aquele olhar frio e sedutor que lançou para o rapaz, e isso só horas depois daquela pobre garota morrer esfaqueada. Foi quando soubemos que Lily Hayes era culpada. Quando você soube? (p. 55)

Para os interessados, um trecho sobre o caso que inspirou o livro.
Meredith Kercher nasceu a 28 dezembro de 1985, em Southwark, Londres, Inglaterra, e morreu no dia 1 de novembro de 2007, com 21 anos de idade, vítima do crime de homicídio, crime esse que se acredita ter ocorrido na casa onde à data morava, na Via della Pergola, 7, Perugia, Úmbria, Itália. Meredith era uma inglesa que ao abrigo de um programa de intercâmbio de estudantes tinha trocado a Universidade de Leeds pela Universidade de Perugia. Veio a ser assassinada em Perugia naquele  dia 1 de novembro, tendo sido encontrada morta no chão do seu quarto. A autópsia apurou que a morte ocorreu por asfixia, mas no exame realizado ao cadáver pela polícia italiana foram identificados sinais de golpes produzidos por uma arma branca, uma faca. O quarto estava remexido, parecendo que o móbil do crime teria sido o roubo, uma vez que faltavam alguns dos bens da vítima. Foi uma colega de Meredith, a americana Amanda Knox, que vivia no mesmo apartamento, quem alertou a polícia, depois de ter encontrado a colega sem vida, no chão do seu quarto. Chegados ao local e logo nas primeiras investigações, mais concretamente no exame ao local do crime, os investigadores italianos  concluíram que o cenário era uma encenação – era muito difícil ter ocorrido ali algum outro crime além do homicídio de Meredith Kercher.
Ler mais em: clique aqui

Edição: 1
Editora: Rocco
ISBN: 9788532529343
Ano: 2015
Páginas: 448
Skoob: aqui
Avaliação: 4/5 

Categorias:Outros
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Emanoelle Souza agosto 19, 2015

    apreciio muito quando um livro é inspirados em fatos reais,da um clima de realidade ao livro, se nao me engano acho que já ouvi falar desse caso.

  • RUDYNALVA agosto 22, 2015

    Carol!
    Livros baseados em fatos reais são sempre interessantes, porque se tornam mais verídico e crível.
    E quando é um thriller psicológico ainda melhor.
    “Aja antes de falar e, portanto, fale de acordo com os seus atos.”(Confúcio)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista!

  • Any agosto 30, 2015

    Oi, Carol!
    Não conhecia o caso que inspirou o livro, mas como curto thriller psicológico fiquei bastante interessada e curiosa em relação todo o suspense que há na história.
    Portanto, dica anotada!
    Bjos!