20julho2014

[Resenha]: “O Cavalariço da Providence” – Georges Simenon

Sinopse – “O comissário Maigret está sob a chuva perto de um canal. Uma mulher bem vestida, Mary Lampson, foi estrangulada num estábulo ali perto. Por que sua vida hedonista e cheia de glamour teve um fim brutal num lugar ermo como esse? Decerto seu marido taciturno, Sir Walter, sabe alguma coisa – ou talvez as respostas estejam com a tripulação da balsa Providence”.
Minha opinião –  “O Cavalariço da Providence” é um livro curtinho (com 132 páginas) que discute um caso que é investigado pelo Comissário Maigret. 
Narrado em terceira pessoa, o mistério a ser solucionado envolve uma mulher encontrada estrangulada, chamada Mary Lampson. 
Como todo bom livro policial, a história começa com a investigação da identidade da vítima, o que levará o Comissário a investigar as pessoas à bordo do iate Southern Cross. O que o Comissário não esperava é descobrir uma teia de mentiras envolvendo não só os moradores do iate, como também a própria vítima e duas barcas que se encontram estacionadas próximas à uma eclusa no canal: Providence e Eco III.
Uma história com direito a múltiplos suspeitos, mentiras, traições e um final realmente surpreendente!
A narração é dinâmica e o enredo bem desenvolvido. Para aqueles leitores que se preocupam em não entender alguma situação por se tratar de um livro de uma grande série, não precisam temer, pois as histórias focam quase que totalmente nos casos e são poucos os detalhes que recebemos sobre o próprio Comissário.
Para os fãs de obras policiais, os livros de Georges Simenon sobre determinado Comissário com um senso apurado e uma inteligência única são leituras obrigatórias.
Em relação à revisão, diagramação e layout a editora realizou um ótimo trabalho. A capa combina com o clima da obra e traz a sensação de se tratar de um livro policial.
Curiosidade: O Comissário Maigret é uma figura importante na literatura francesa. Personagem criada pelo escritor belga Georges Simenon em 1929. Casado, sem filhos, quinquagenário, o comissário de polícia Jules Maigret trabalha no Quai des Orfèvres. Fumando o seu cachimbo, leva acabo as suas investigações com bom senso, humanidade e sagacidade. É o herói de uma centena de romances e novelas, de entre os quais: L’Affaire Saint-Fiacre (1932), Maigret (1934), Maigret revient(1942), Mon ami Maigret (1949), Maigret à l’école (1954), Maigret et le clochard (1963), L’Ami d’enfance de Maigret (1968).Vários destes romances policiais foram adaptados ao cinema. Jean Renoir realizou La Nuit du carrefour (1932); L’Homme de la tour Eiffel foi realizado pelo americano Burgess Meredith em 1948, com aparticipação de Charles Laughton; Jean Gabin atuou em Maigret tend un piège (1957), Maigret et l’affaire Saint-Fiacre (1958), de Jean Delannoy, e Maigret voit rouge (1963), de Gilles Grangier.
A série televisiva seria interpretada por Jean Richard e posteriormente por Bruno Cremer.
Fonte: Clique aqui
Categorias:Outros
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Desbravadores de Livros julho 20, 2014

    Adorei o gênero, Carol. Sou apaixonada por livros policiais e esse já está na minha lista.

    M&N | Desbrava(dores) de livros – Participe do nosso top comentarista de julho

    • carolinaduraes julho 24, 2014

      Eu também adoro livros policiais, principalmente quando temos um final inesperado.
      Obrigada pelo comentário.
      Bjkas

  • Clube do Crime julho 22, 2014

    Legal! Compartilhado no Clube do Crime: https://www.facebook.com/clubedocrime
    Deixo o convite para que conheçam a nossa página e site sobre literatura policial =)

  • Liza Mikaelly julho 26, 2014

    Essa é uma leitura obrigatória para mim pois adoro esse gênero.
    Beijos

  • Karolyne K. julho 31, 2014

    Gosto do gênero e o livro automaticamente já se torna meu desejado =)
    Só espero gostar…. Obrigada pela dica.

    • carolinaduraes agosto 9, 2014

      Oi Karolyne, tudo bem?
      Espero que você goste do livro. Tem um ar de histórias policiais antigas e ao mesmo tempo faz com que o leitor fique tentando conectar os pontos rs…
      Bjkas