22julho2014

[Resenha] Excalibur – Organizadora: Ana Lúcia Merege

Sinopse: Todos já
ouvimos falar do Rei Artur. Desde as crônicas medievais até a literatura
contemporânea, passando por meios como o cinema, teatro, quadrinhos e games,
muito foi contado sobre ele, seus cavaleiros e o mago Merlin, reinventando o
universo mágico cujo centro é a corte do reino de Camelot. A coletânea
Excalibur – histórias de reis, magos e távolas redondas abraça esse imaginário,
reunindo histórias inspiradas por versões das novelas de cavalaria e releituras
contemporâneas, mas sem ignorar a sua origem na mitologia celta. O resultado é
a diversidade de estilos, cenários e gêneros que vão da fantasia heroica ao
dieselpunk, sempre unidos à atmosfera de magia e aventura que imortalizaram o
Rei Artur. Na liderança dessa missão pelo Santo Graal está Ana Lúcia Merege,
que divide a Távola Redonda com um conto ao lado dos destemidos Roberto de
Sousa Causo, Liège Báccaro Toledo, Luiz Felipe Vasques e Daniel Bezerra, André
S. Silva, Pedro Viana, A. Z. Cordenonsi, Ana Cristina Rodrigues, Marcelo Abreu,
Melissa de Sá, Octavio Aragão e Cirilo S. Lemos. Batalhas, encantamentos,
amores, intrigas e traições – tudo isso e muito mais se revela a cada página de
Excalibur, uma homenagem à fantasia medieval e aos heróis que nunca morrem.
Minha opinião –   Rei Artur,
Merlin, cavaleiros da Távola Redonda… A maioria já conhece a história dessas
figuras lendárias, seja por livros, filmes ou até mesmo desenhos, onde um jovem
retira a espada Excalibur da pedra e se torna rei.
A coletânea coordenada
pela Ana Lúcia Merege reúne 12 histórias inspiradas nessa mitologia celta, de várias
maneiras, ângulos, olhares, tempo, com diversos personagens, motivações,
repletas de ações e surpresas para os leitores. Desde a idade
média, passando até mesmo pelo espaço, o livro traz diferentes contos com a
temática arturiana, com uma diversidade de estilos. Temos ainda um
prefácio que explica um pouquinho sobre as primeiras aparições da lenda e como ela está presente na nossa cultura.
A capa e a
edição do livro são lindas demais. Cada detalhe desde o início dos capítulos,
do espaço entre parágrafo até a letra foram cuidadosamente feitos para remeter ao
tema.
O único
problema é que por ser contos, as histórias são mais curtas e quando você está
se apegando aos personagens, ela termina. Você quer saber mais, ter um pouco
mais da história, mas tem que passar para outra e esse ciclo recomeça.
É claro que
dependendo do estilo da escrita que você gosta, vai acabar gostando mais de um
do que de outro, mas todos são bem legais e os autores nos conquistam com
finais surpreendentes e até mesmo dramáticos.

Recomendo.

Categorias:Outros, Resenhas
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Liza Mikaelly julho 26, 2014

    A capa está muito linda! sou completamente apaixonada por contos, e é um dos muitos porquês de eu estar tão empolgada por esse livro. Beijos

  • Karolyne K. julho 31, 2014

    A capa é muito linda!
    E sempre quis ler um livro nessa temática, pois ainda não li. E acho que ele deve ser bem agradável.
    Não sei, fico meio empolgada em conhecer o livro e ao mesmo tempo penso se vale mesmo a pena.