17fevereiro2014

[Resenha] Rato de Biblioteca – Paulo Natanael Nogueira

Sinopse: “Abduzido à louca viagem nas páginas de contundente saga. Não era a Biblioteca, foi meu pensar recriando o paraíso sobre o paradisíaco. Tudo quebrantou abaixo de mim, e não pude evitar a sordidez. Não pude conter o solo negro rachado. Havia construído um céu… Cria que o céu chorou sobre mim. Mas foi fantasia. Foi eu quem chorei, e minhas lágrimas tempestuosas caíram sobre o céu, o meu céu, que era de papel. Pingaram sobre minhas escritas, sobre o grafite, sobre a tinta… Mancharam as páginas, manchada estava minha vida. Rasgou-se, rasguei-me. Cada rasgo se desfez em mais pedaços, que caíram como flocos de neve sobre terra negra. A cada nova lembrança de cinzas, os flocos caíam esfumaçando. Inesperadamente surgiram centelhas, seguidamente caíram brasas. Papéis desceram como fogo, caindo em larvas, rachando o solo negro já pútrido e envidraçado, isolando-me na ilha de ilhas entre o magma, no obscuro e solitário mundo arredio, do pessimismo e da desesperança, do contentamento e da conformidade. Não havia olhar além, tampouco aquém. Se não nascia de novo, conforme desejei naquela caverna gelada, morria. Ao contrário do fruto brotando, da planta germinando, não emergia. Sucumbia o Rato imergente, no solo onde brotou a rosa… Estava afundando, tendo minha carne agredida por aquele solo envidraçado, de reflexos escuros, onde vi refletir os poetas mortos e seus cavalos negros, cavalgando em minha direção. Caí aos pés do inimigo, rosto no pó, poeira levantada, braços abertos, rodeado de cruéis desvirtuados, salafrários, designados, ardis, nebulosos. A vida matou-me! Descobrir mundos nesse mundo é mais que satisfação, é descobrir que fronteiras e horizontes desconhecem certos limites. Ultrapassá-los é questão de tempo.”

“Bom, leitores, iniciei tão dramático e presunçoso que até esqueci de me apresentar, como realmente sou. Eu, literalmente, sou um rato de biblioteca”. Página 21

Faz um tempinho que comecei a ler esse livro, mas só consegui terminá-lo no começo de Janeiro. Sabe aquela leitura que é mais lenta, mais demorada? Que às vezes temos que voltar para ler novamente para conseguirmos entender verdadeiramente o real significado daquilo? Essa não é uma leitura que vá agradar a todos, é um pouco complexa e possui um ritmo mais lento, mas isso não desqualifica o livro.
A história é contada por um rato, o rato de biblioteca. Um dia ele descobre um livro, aprende a ler e não para mais. Ele conhece grandes clássicos, adquire conhecimento sobre os humanos e política e resolve levar isso para sua toca, para que fosse implantado algum tipo de organização e todos os ratos aprendam a ler. O rato de biblioteca é o personagem principal e acaba se passando por herói, anti-herói, vilão, ditador, benfeitor. Ele é passível de erros e isso só aumenta conforme sua proximidade com a humanidade.
Esse livro me lembrou bastante “A Revolução dos bichos” do George Orwell. Animais tentando se assemelhar aos humanos, tentando viver como nós, agindo como nós, no que há de bom e ruim. E é fascinante que vemos na história dos ratos a história da própria humanidade. O desenvolvimento da política, da religião e dos problemas sociais. O egoísmo, a ganância, a violência, a miséria e a imposição do mais forte sobre o mais fraco são pontos trabalhados no decorrer da história.
A leitura te leva para uma profunda reflexão, é muito interessante como ele mexe com você e com sua percepção da humanidade. Algumas partes eu acabei achando confusas, mas com o decorrer da leitura, acabamos entendendo tudo que de fato acontece. Outro ponto positivo é a capa que está muito bonita e os números no final da página estão dentro de um desenho do contorno de um rato, um detalhe bem legal.
Categorias:Outros, Resenhas
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Inês Gabriela A. fevereiro 17, 2014

    Apesar de ter achado a premissa da história super bacana eu realmente não curto leituras mais lentas e demoradas, rsrs. Muitas vezes esse tipo de livro se torna arrastado e eu sempre acabo abandonando =/.

    memorias-de-leitura.blogspot.com