11fevereiro2014

[Resenha] A Maravilha das Pequenas Coisas – Dawn French

Sinopse:
A Maravilha das pequenas coisas é a divertida história de uma família moderna contada do ponto de vista de três membros: a mãe, que pensa que sabe tudo, o filho que pensa que pode tudo, e a filha, que pensa que não pode nada e que não sabe nada. Cada um vive em seu pequeno mundo e a vida familiar fica cada vez mais caótica – até que eles descobrem o que realmente importa.
 
Minha Opinião
 
Um livro para todos os que fazem parte de uma família confusa, bagunçada, desestruturada, mas que no fundo se amam muito e têm certeza de que, seja qual for o problema, sempre haverá alguém pronto a lhe dar a mão.

Em primeiro lugar, o que me atraiu de verdade nesse livro foi o pequeno cachorro na capa. Eu já tinha visto ele antes, mas o título tinha me feito pensar que se tratava de um autoajuda, gênero que não me desperta interesse. Porém, um dia fui ler a sinopse e vi que tinha me enganado e que inclusive o tema era sobre algo que sempre me agrada ler, sobre família.

A história é contada através de três personagens: Ma, a mãe que está prestes a completar 50 anos com uma crise de meia-idade, buscando estabelecer laços mais fortes com sua filha e tentando escrever um livro sobre adolescentes; Dora, a filha de 17 anos, uma adolescente ao mesmo tempo comum – com os típicos problemas com garotos, amigas, escola, corpo e futuro – e incomum – com uma inteligência peculiar. Ela mantém uma distância de sua mãe que nas suas palavras é uma “astrochata”; e Peter, o filho caçula de 16 anos. Fã de Oscar Wilde, adota o nome do autor, se veste de forma elegante e adota a formalidade na fala.

O mais legal dessa troca de visões é a dinâmica que se cria, pois além de podermos ver o que realmente ocorre, não ficamos presos ao entendimento de um só personagem. E é aí que percebemos que nem sempre há um lado certo e um errado. Ma tenta se aproximar da filha e como uma especialista – ela é uma terapeuta de crianças e adolescentes – deduz que a entende. Já a filha não consegue enxergar um lado positivo nas ações da mãe, sente ciúmes de seus pacientes e a mantém afastada.

Na história, a autora aborda algumas questões como traição, sexualidade e inseguranças e como ele se passa na Inglaterra, acaba nós mostrando um pouquinho da cultura de lá, já que estamos mais acostumados com ambientações norte-americanas. É um livro leve que consegue trazer algumas discussões e problemas que as famílias enfrentam diariamente.

Ma acabou perdendo pontos comigo devido a suas atitudes ao decorrer da história. Não gostei das decisões que ela toma por conta da insegurança e o medo de envelhecer. Já meu personagem favorito acabou sendo Oscar e sua maneira singular de ser, ele é uma figura inacreditável. Ao mesmo tempo que ele cria um mundo para si, não deixa de nós passar o quanto ama a família.

Uma coisa legal é que cada personagem possui um bolo favorito que a Nana Pamela – a avó – faz para eles quando vão visitá-la e a autora disponibiliza as receitas no fim do livro. Além disso, o número das páginas do livro está dentro de um cachorrinho igual ao dá capa, uma gracinha *-*
Recomendo a leitura!

Categorias:Outros, Resenhas
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Luana Kraemer fevereiro 11, 2014

    Achei super legal! Não tinha visto esse livro ainda, quero ler! Principalmente porque se passa na Inglaterra, e como você falou, não vemos muitos livros assim ambientados lá!

    Beijos, Lu!
    gimmeflowers.blogspot.com.br

  • Ariádne Tamires fevereiro 12, 2014

    que gracinha de capa!
    Esse livro deve ser encantador e ao mesmo tempo bem interessante e inteligente.
    Gostei dos temas abordados 🙂

    beijos ♥
    tamigarotaindecisa.blogspot.com.br