16setembro2013

Resenha: “O Último Apócrifo” – Daniel Brandão

“O último Apócrifo” é um livro com uma trama complexa, bem desenvolvida e que prende o leitor. Os capítulos iniciais são densos, pois alternam entre si com a apresentação de diversos personagens, como o Padre Olegário, Izacael, um anjo caído, Crowley um anjo caído que tem um passado obscuro e um papel importante no equilíbrio entre o bem e o mal, um advogado de defesa de criminosos de colarinho branco, o Elias de Grande, a banda Anões e Leões, em especial Joe, além de Alice, Rogério, Raquel e tantos outros compõem a trama. São tantos personagens com profissões e papéis tão desconexos que no início da leitura o leitor fica sobrecarregado. Porém, é ao avançar da trama que seus caminhos vão se cruzando e descobrimos que nada ocorre por acaso e que cada um deles é uma peça nesse enigmático quebra-cabeça.
Após esse início mais arrastado, o leitor fica preso em uma batalha e tanto e descobre que o Céu não é tão certinho e nem todos os habitantes do Inferno são tão malvados.
“A Casa dos Saberes era, além de biblioteca celestial, um templo aonde os anjos vinham exclusivamente orar por sabedoria. Alguns pensavam que apenas se ajoelhando e pedindo por conhecimentos ficariam mais inteligentes, mas a verdade era igual à dos mortais: teriam de enfiar a cara nos livros para aprenderem mais alguma coisa”. (p. 28)

Essa falta de separação entre os bons e os maus é um dos pontos positivos do livro, pois é necessário avaliar o indivíduo e não sua espécie: humano, anjo, demônio.
Crowley sem dúvida é o personagem que se destaca, mesmo em cenas em que deveria ser coadjuvante: sarcástico, de pavio curto e muito inteligente, é impossível não querer saber o que ele vai aprontar em seguida.
Izacael é o personagem que leva o leitor a refletir. Refletir sobre a humanidade, o existencialismo, o bem x o mal.

Para os fãs do gênero, “O último Apócrifo” é uma leitura essencial. O escritor Daniel Brandão surpreende de modo muito positivo o leitor com a sua escrita fluida, dinâmica e com a sua capacidade em elaborar um livro cheio de detalhes inusitados.
O final deixa o leitor suspenso, curioso para saber o que irá acontecer em seguida.
O livro não trata apenas da batalha entre o bem e o mal, mas também fala do comportamento humano, seus atos e suas preocupações com bens materiais.

“Todas as coisas são para serem discutidas. Religião, política e futebol. Todas. Deve existir uma razão, a mais sem sentido e sem noção, mas deve existir uma. Sempre existe”. (p. 416)

Em relação à revisão, diagramação e layout a editora realizou um ótimo trabalho. Encontrei uns dois errinhos de digitação, mas nada que interferisse na leitura. A capa chama a atenção e é totalmente relacionada ao tema do livro.

“Sete é o número da perfeição. Sete são os dias da semana. Sete são as cores do arco-íris. Sete são os algarismos romanos. Sete são os mares; sete são as notas musicais; sete são as virtudes; bem como os pecados capitais. No começo e no fim o número sete é citado. Assim sendo, sete também é o número de arcanjos que habitam a presença de Deus”. (p. 13)

Editora Dracaena, 400 páginas, 2013.
Skoob: Clique aqui
Avaliação: 4/5

Categorias:Outros
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • caroline matos setembro 16, 2013

    Nossa se fala de anjos,demônios,e coisas do gênero eu já amo,sou muito apaixonada por livros assim, e quero muito ler esse agora,eu já tinha visto em uma livraria mas não sabia que era tão bom assim *-*

    • carolinaduraes setembro 17, 2013

      Oi Caroline, tudo bem?
      Então, o livro é muito bom sim! Se você é fã do gênero vale muito a pena conferir.
      Beijos

  • Adriana setembro 17, 2013

    Ai fico com medo de me perder com esse tanto de personagens e isso atrapalhar minha leitura, pois justamente não é um dos gêneros que mais gosto de ler, mas não custa dar uma chance, afinal voce me contagiou com sua resenha positiva do livro, parabéns! 🙂

    • carolinaduraes setembro 18, 2013

      Oi Adriana, tudo bem?
      Fico feliz que tenha gostado da resenha.
      O início é um pouco denso sim, mas conforme avançamos na leitura e vamos entendendo o papel de cada personagem, o livro prende a atenção do leitor até o fim.
      Beijos

  • Oliveira setembro 18, 2013

    Apesar de já ter lido alguns livros sobre anjos e demônios, por agora não tem sido algo que tenho procurado, ainda mais séries, estou meia que tentando terminar as que iniciei. Vou acompanhar por resenhas essa série.

    • carolinaduraes setembro 18, 2013

      Oi Oliveira, tudo bem com você?
      Estarei aguardando os seus comentários e opiniões nas próximas resenhas 😉
      Beijos

    • Oliveira setembro 19, 2013

      Carolina, tudo bem graças a Deus. Sempre atenciosa!
      Estarei presente sempre que possível.

  • Carol Ordonha setembro 19, 2013

    Oi Carol,

    Nunca tinha ouvido falar desse livro, mas pelo que você disse parece ser muito bom mesmo!
    Assim como você, também gostei do fato de que a gente tem que analisar os personagens por seus caráteres, e não sua espécie.
    Eu adoro histórias de anjos caídos, demônios, então fiquei bem curiosa por essa história.
    Você sabe se já tem alguma previsão de quantos livros serão, e quando o próximo será lançado? (Na verdade, não sei nem se esse é recém-lançado =/, mas gostaria de saber pra pegar os dois de uma só vez hahaha)

    Beijinhos,
    @carol_ordonha

    • carolinaduraes setembro 21, 2013

      Oi xará!
      Eu perguntei para a Thais sobre a previsão e quantos livros são, mas sim, esse livro é recém-lançado. Assim que tiver a informação eu te passo ok?
      Gosto bastante de tramas de anjos e demônios, acho que a batalha do bem contra o mal é sempre interessante rs.
      Beijos