24junho2013

Amanhã – Quando a Guerra Começou – John Marsden

Classificação
Sinopse:
O que você faria se descobrisse que todo o mundo que conhece deixasse de
existir da noite para o dia?

Ao voltar de uma semana de acampamento, Ellie e seus amigos descobrem
que a cidade em que viviam foi invadida por um inimigo desconhecido.
Suas famílias foram aprisionadas e uma guerra está acontecendo em seu
país. Agora, eles estão sozinhos em uma cidade sitiada, lutando para
descobrir o que aconteceu com seu país e tentando sobreviver.

AMANHÃ é a história de uma aventura extraordinária em tempos
extraordinários, em que esconderijos, explosões e fugas passam a fazer
parte da rotina desse grupo de amigos. Sozinhos e sem ter para onde ir,
Ellie e seus amigos vão precisar de toda a coragem e ousadia para
sobreviver.

Amanhã, quando a guerra começou é o primeiro livro da série que foi
escolhida como a mais fascinante pelos jovens leitores nos EUA, na
Suécia e Austrália. Uma história que prende o leitor do início ao fim.
Amanhã, quando a guerra começou vai ficar na sua memória para sempre.

O autor foi muito ousado. Ousado em criar um cenário real, nos fazendo acreditar que possa acontecer algo do tipo. Este livro foi publicado em 1993, você pode achar a história mais do mesmo, mas na época era inédito algo desse tipo…

Narrativa muito infantojuvenil? Sim, este livro é voltado para este público, só que as atitudes dos protagonistas são dignas da realidade. Muitas coisas que aconteceram durante o decorrer da história poderão um dia se tornar verídicas.

Já imaginou o Brasil sendo invadido agora. Como você iria reagir? É exatamente essa premissa que o autor nos traz. Como o grupo de adolescentes estava acampando, não faziam ideia do que aconteceu ao seu país, no caso a Austrália. Muitas hipóteses do acontecimento e com o fator medo, o livro segue uma ótima trilha de aventura, mistério e surpresa.

Os personagens foram bem descritos, muito descritos. O autor jogou a descrição de cada um logo no começo e confesso ter ficado perdido um pouco na leitura, mas lá na página 100 você já tem ideia de quem é quem. O livro é narrado em primeira pessoa pela personagem Ellie. Em alguns momentos ela faz algumas comparações do que ela estava fazendo no mês passado e o que está fazendo agora. Uma situação de guerra pode mudar muito as pessoas…

Fica a dica desta leitura, você irá se surpreender e torcer pelos protagonistas, para que tudo acabe. Sim é uma série, mas recomendo fortemente este primeiro livro. Em breve resenha das continuações.

Adquira seu exemplar



Trailer do filme
Categorias:Outros
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Camilla Lobianco junho 24, 2013

    Poxa, não conhecia esse. Gostei da premissa. Interessante. Também gosto de livros infantojuvenis, normalmente, prendem bastante a atenção 🙂

    ssentrelivros.blogspot.com.br

  • Silvia Pereira junho 24, 2013

    Olá!
    Eu confesso que tinha só visto a capa do livro,não me interessou muito.As vezes sofro daquele deifeito de julgar o livro pela capa rsrs.
    Mas depois de ver a sua resenha,eu fiquei curiosa para lê-lo.
    Bjs!
    http://pocketlibro.blogspot.com/

  • Carol junho 24, 2013

    Eu sou doida por esse livro!!!! Pena que os livros da série sejam muito caros e eu não consiga compra-los, e também não os encontro para vender nem em formato digital. Sad Life!

    bjus
    terradecarol.blogspot.com

  • Gisele Bizarra junho 25, 2013

    Achei o assunto do livro interessante. Já colocado na lista de livros a ler no futuro ^_^

  • Bru Souza junho 26, 2013

    não conhecia, mas parece legal, e a capa é fofa, rs

    conheci seu blog pela romoção com o blog Endless Poem, e adorei, e já estou seguindo. depois dá uma passadinha para conhecer o meu cantinho também
    bjus
    http://meumundinhoficticio.blogspot.com.br

  • Monique Melo junho 28, 2013

    Tenho esse livro tem um tempinho, mas sempre deixo para depois. Gostei dos seus comentários sobre o enredo e acho que a linguagem deve se adaptar bem ao público alvo.

    Beijos.