14Março2013

Resenha 2 x 1: Post Mortem – Patricia Cornwel

Post Mortem
Sinopse:  
É um homem metódico,
disciplinado, desumano: mata por prazer. As pistas até ele se perdem pelas
ruas. A Dra. Kay Scarpetta, médica-legista, examina as vítimas, mulheres que
não podem lhe dizer nada a não ser pelos vestígios que trazem no corpo. E no
corpo delas há um brilho produzido por alguma substância química. Qual? A Dra. Scarpetta precisa
descobrir logo, se quiser evitar a próxima vítima. E precisa aprender a
conviver com o fato de que, apesar de usar em suas autópsias os recursos mais
avançados da ciência e da tecnologia, esse aparato se destina a desvendar
mentes tão perturbadas quanto impenetráveis. Em outro plano,
precisa lidar ainda com a hipótese de que alguém muito próximo quer destruir
sua carreira e está sabotando a investigação dos crimes.

Classificação por Andressa

Kay é uma mulher independente e solteira que vive em Richmond. Tem uma irmã, uma sobrinha que gosta de passar as férias em sua casa, não tem filhos e nunca foi casada. Inteligente, foi uma das únicas mulheres da sua turma quando cursou medicina e desde então tem que provar diariamente que merece uma vida profissional de respeito tanto quanto um homem mereceria.

Ela é médica-legista de Richmond e quando mulheres aparecem assassinadas brutalmente, ela embarca em busca de qualquer pista para descobrir o autor desses crimes. Mas ela ainda tem que lidar com vazamentos de informações para imprensa e com alguém tentando lhe prejudicar.

“Medo”, falei. “Quero que ele sinta o medo que elas sentiram quando souberam que iam morrer.”

Quando eu recebi esse livro para resenha, fiquei encantada com a capa dele. Não dá para vocês perceberem pela imagem, mas a capa possui um brilho que conforme você a movimenta, ele vai acentuando mais. Depois eu li a sinopse e não pude resistir, o passei na frente nas minhas leituras.

O problema foi que eu não gostei muito do ritmo dele. O começo eu li sem empolgação, foi uma leitura arrastada, o meio foi mais agitado e intrigante e até que o final foi legal, mas sem muitas reviravoltas. Eu achei que fosse ser uma história mais explosiva, com mais ação, uma investigação com mais surpresas. O livro até me lembrou uma série que eu assisti alguns episódios, a Body of Proof, que nos canais abertos se chama “Prova do Crime”. Nele a principal é uma médica-legista que investiga os casos assim como a Kay.

Os personagens até que são legais e com alguns eu sofri uma antipatia inicial que conforme foi desenrolando a história eu acabei me afeiçoando a eles. O mais legal é que o livro foi escrito na década de 90 então a alta tecnologia descrita é algo muito ultrapassado hoje em dia. Eu até fiquei meio perdida em algumas descrições, fiquei sem a mínima ideia do que eles estavam falando. Inclusive o livro é bem descritivo mesmo, desde tempo, locais a pessoas.

Gosto muito de ficção policial/romance policial, mas não conhecia essa série, muito menos a autora. Pelo que eu pesquisei, Patricia Cornwell faz um imenso sucesso com essa série Scarpetta e já ganhou diversos prêmios. E é esse livro que inaugura a série. A autora iniciou a carreira inclusive como repórter policial, o que com certeza ajudou ela na elaboração dos livros. Post Mortem foi publicado em 1990 e lançado aqui no Brasil pela primeira vez em 1999 e hoje a série conta com 20 livros. A Editora Companhia das Letras quando lançou os livros no Brasil começou pelo segundo livro e não obedeceu a ordem cronológica deles. Mas agora ela está relançando pela Editora Paralela na ordem correta.

Ah e uma curiosidade: Post mortem em latim significa depois da morte, ou seja em termos médicos se refere ao tempo decorrido após a morte da pessoa.

Classificação por Lipe


Broxante é o adjetivo que uso para definir este livro.

A série
Scarpetta é super bem falada e fiquei curioso para saber o porque ela é
tão boa e neste primeiro livro, o porque não estava incluso.

2
estrelas pode ser considerado exagerado por muitos, mas pra mim faz
muito sentido. Não abandonei o livro, apesar da narrativa estava
contribuindo para o abandono. E sou muito curioso em saber qual é o
criminoso(s) em livros policiais. O que me manteve lendo o livro, foi
um pequeno susto que acontece com os materiais do caso. Foi a parte que
despertou minha vontade em terminar a leitura.
Em relação aos
personagens são todos construídos bem.

Kay trabalha em uma profissão em
que os homens “mandam” e temos conflitos durante o livro sobre este
preconceito. Há também outros personagens que mereciam um maior destaque
na trama, coisa que não aconteceu. A sinopse prometeu muito, pena
que nada do prometido foi feito. Não vou abandonar essa série,
certamente nos futuros livros ela possa melhorar, mas no momento quero
esquecer essa decepção.

Categorias:Outros, Resenhas
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Carol Sophie Março 16, 2013

    Eu quero muito ler essa série. Adoro séries de TV policiais, CSI, The Mentalist etc,e confesso que ainda penso em trabalhar na área de perícia, mas nunca li nenhum livro do gênero.

    Beijos
    fromafallenangelsheart.blogspot.com

  • Leituras & Devaneios Março 16, 2013

    Eu estava tão empolgada em procurar ler esta série, mas já desisti pelo que falaram da narrativa descritiva demais e sem ação. To fora 😉 Quem sabe procure saber do dois e ver se melhorou 🙂

    Beijos,

  • Márcia Desirée Março 17, 2013

    Não sei se vou gostar de um livro tão pesado! Eu gosto de viajar na fantasia, nos romances e nos acontecimentos, mas assassinatos com requintes de crueldade… não sei não!

    Tesouro Literário

  • Sweet-Lemmon Março 17, 2013

    Ai, que pena que você não gostaram muito. Esse livro está entre os meus desejados. Há tempos que quero ler essa autora mas nunca tive a chance.

    Bjs

    Thaís

    http://umaconversasobrelivros.blogspot.com.br/