17Maio2012

Todo bookaholic… #6 – Sabe como nasceu o livro

 Olá, viajantes!
      Sabe aquelas informações que não mudam absolutamente nada na
sua vida, mas a dúvida fica ali rondando sua cabeça e você precisar saber mais
sobre determinado assunto? Pois é, eu sou assim (maridão me chama de rainha
da cultura inútil, mas enfim).
        Fiquei aqui pensando como e qual teria sido o primeiro livro
impresso da história e acabei descobrindo todo o processo e evolução desse ser
mágico que é o livro nosso de cada dia. O armazenamento de informações escritas apareceu logo depois
(dããã) do surgimento da escrita, por volta de 2440-2200 a.C. Não era muito
prático, não. As informações eram entalhadas em tabuletas de argila ou barro (agora imaginem Crônicas do Fogo e Gelo na versão tabuleta egípcia!).
Por ser pouco pratica, logo foi substituída pelo papiro, vovô
do papel e do pergaminho.  Papiro, é o
nome de uma planta; seu caule, branco e esponjoso, era cortado em tiras,
molhado, sobreposto a outras tiras, prensado e martelado. A seguir a placa de
papiro era colada a outras placas, formando uma espécie de bobina longa e muito
leve.
  

Os inventores do papiro foram os egípcios (sou fã desses
caras! Quer dizer, eles criaram a maior invenção de todas! Não tô falando das
pirâmides, não. Tô falando da maquiagem!).  O rolo de papiro ganhou o nome de volumen, e quando aberto, media entre 6 a
7 metros de comprimento, e enrolado, pouco mais de 6 centímetros. No entanto, era
muito frágil, por isso nasceu o pergaminho ( feito de pedaços de couro bovino
costurados), muito mais resistente, mas ainda manteve o formado rocambole.

              A necessidade faz o ladrão (ou seria a ocasião?) e na Grécia
apareceu o Codéx (palavra em latim, que significa Livro, eeee chegamos lá!),
no formato que conhecemos hoje, com páginas independentes confeccionadas em couro.
Os monges eram os responsáveis por copiar os textos originais, criando novos
exemplares. Surgiram as letras maiúsculas nos textos, pontuação (pois é, só
agora) e páginas em branco.
Foi em Roma, na Idade Média, onde sugiram nossos ancestrais,
os primeiros bookahoolics da história –
que liam por prazer e não por senso prático –,
já que não eram somente os ricos que tinham acesso à leitura como ainda
acontecia no restante do mundo. Os livros passaram a ser comercializados, não
eram mais apenas didáticos ou religiosos escritos em latim. Havia compilações
de vários autores em suas línguas de origem nos mais variados estilos, inclusive
textos eróticos ( e você achando que isso era coisa do século XXI…).
             Finalmente o papel entrou na parada e no finalzinho da Idade
Média o texto começou a ser impresso – na verdade carimbado – em papel. Pouco depois,
o senhor Johannes Gutemberg (a gente agradece, Seu Gutemberg!), mais ou
menos em 1455, criou a máquina que permitia imprimir os textos com mais agilidade.
Pronto, a tipografia fora inventada. O primeiro livro impresso da história foi também o mais
vendido deles. Não, não foi Harry Potter. Foi a Bíblia.

De lá pra cá, o livro continuou evoluindo. O mais
surpreendente ( e irônico) é que “da
tabuleta vieste, a tabuleta retornará”
. A diferença é que a nossa tabuleta
armazena milhares de livros e não pesa nada (bom, não nas mãos, né? No bolso é
outra história).

Beijão!

Carina
Rissi é escritora e bookaholic assumida. Colunista da seção “Todo
Bookaholic”, trará dicas mensalmente, sugestões e curiosidades sobre
esse fantástico universo.
Categorias:Outros
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Nattacha Maio 17, 2012

    Carina, adooorei o seu texto, e sabe conheço muito bem essa história ou melhor, quase toda, quando eu estava no ensino fundamental, lá pela 6ª ou 7ª serie, teve uma feira dessas de escola, e pegamos o tema que falava sobre a evolução da escrita, o que é praticamente irmã da evolução do livro, pois eles estavam sempre juntos! Tá ai uma coisa inutil que sei até demais o/ Porém eu queria muito uma dessas tabuletas modernas, e isso nem existia na epoca em que fiz esse trabalho não xD o problema é o bolso com tanta moderninade assim!
    Beijinhos :*

  • Jeferson Cardoso Maio 17, 2012

    Olá Carina!
    Gostei de saber do nascimento do livro. Você fez uma excelente pesquisa!
    Abraços.

    “Para o legítimo sonhador não há sonho frustrado, mas sim sonho em curso” (Jefhcardoso)

    Convido para que leia e comente “A DESPEDIDA DE TEDDY LOMBARD” no http://jefhcardoso.blogspot.com/

  • Suellen Maio 17, 2012

    É vivendo e aprendendo!

    Adorei a informação e parabéns aos que tiveram a ideia de fazer o livro chegar ao que é hoje.

    Beijos!

  • Janynne Palheta Maio 17, 2012

    Obrigada, Carina!
    E parabéns rs

    Amo a sua coluna aqui no VL o/

    Beijo beijo.

  • Marcelo Lima Maio 17, 2012

    post simplesmente perfeito !

  • Bruna Sversutti Maio 17, 2012

    Adorei o post, não conhecia a origem do livro.

    Só acho que não vou aderir a eletrônicos, pelo menos por enquanto, prefiro ter o livrinho na minha mão.

    Bjoos!
    http://my-literarylife.blogspot.com.br

  • Gabi Lopes Maio 17, 2012

    Nooouussa, o post ficou ótimo, realmente, mesmo sendo super bookaholic não sabia dessa ordem cronológica.
    Só algumas informações aleatórias e soltas…

    Muito bom mesmo, está de parabéns!

    Abraços
    Gabi
    sonhosaventuras.blogspot.com

  • Adriana T Maio 17, 2012

    Amei o texto, embora eu já conhecesse as informações foi muito legal a forma como você as colocou no post.

  • Danielle CGA Souza Maio 18, 2012

    Amei o texto…para quem não conhece a história é de grande ajuda e para quem conhece foi bom refrescar a memória…
    Uma infromação super útil!!!

  • lluciannebaptista Maio 18, 2012

    Eu adoro saber estas histórias,acho que nossas crianças deveriam estudar isto na escola, pois tem gente que não acredita.
    Bjs
    Luciane Oppelt