08agosto2011

Clássicos da Literatura Brasileira #2: Iracema – José de Alencar

Olá Viajantes,

Nesta segunda edição dos Clássicos da Literatura Brasileira, apresento uma resenha crítica e elaborada do romance indianista de José de Alencar: Iracema. Esta coluna visa acrescentar cultura, conhecimento e aprendizado certamente até para nossos vestibulandos que ingressarão nas faculdades, aprender sobre nossa Literatura é sabiamente acrescentar qualidade ao nosso vocabulário, é aprender costumes e épocas que retratam fielmente nosso país e nossos livros. Que tal ler a 1º edição com a resenha de Senhora?

“Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros do que a graúna e mais longos que seu talhe de palmeira.”

Livro: Iracema
Autor: José de Alencar
Editora: FTD
Categoria: Literatura Nacional | Romance Indianista
ISBN: 9788532276278
Nº de Páginas: 136
Lançamento desta edição: 2011

               Iracema não é simplesmente um livro qualquer, ele é um livro que retrata fielmente os indios que viviam no Brasil e que foram destituídos de seus lares, costumes e crenças pela chegada dos portugueses. Escrito maravilhosamente por José de alencar, Iracema é um de seus livros mais ousados e complexos, que recebeu duras críticas de outros escritores famosos da época, mas José de Alencar com autonomia e exímia coragem e dedicação expôs a realidade tal como ela foi, sendo um poema em prosa, e narrado poeticamente, a história de Iracema é comparada à chegada do homem branco, que toma a terra, a terra que o amou e o acolheu, abandonando-a em seguida, como a propria Iracema, a essência da aldeia, da vida de seu povoado.
          Essa comparação é escrita pelo autor que usando de palavras e expressões indianistas retratou a personagem com exemplos miraculosos, porém, a escrita exige de cada leitor uma certa compreensão da história da época, ou utilizaremos mais dos dicionários do que poderemos imaginar.

A leitura a princípio podera ser complicada, a narração começa com Iracema conhecendo Martim, que é bem recebido aos olhos da virgem moça e de seu pai, pajé da tribo dos tabajaras.
Conforme a leitura prossegue nos deparamos com uma narrativa mais abrangente da idealização do autor, que compara a Iracema com a terra virgem, que cativada pelos homens veio a desmoronar e padecer.

“— Estrangeiro, Iracema não pode ser sua serva. É ela que guarda o segredo de Jurema e o mistério do sonho. Sua mão fabrica para o pajé a bebida de Tupã.”

Após as adversidades e combates, juntos tecerão o amor e no ventre de Iracema nascerá aquele por quem ela se entregou e se doou. Filho de suas dores.

E foi assim que um dia veio a chamar-se ceará o rio onde crescia o coqueiro, e os campos onde serpeja o rio.

© Todos os direitos reservados, é proibido a reprodução total ou imparcial deste artigo sem prévia autorização.

Categorias:Outros, Resenhas
Thaís Turesso

veja também os relacionados:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Camila Costa agosto 8, 2011

    nunca tive muito interesse pela obra, por mais que eu adore os classicos;mas se u dia surgir a oportunidade quem sabe eu nao leio!

  • Myl@ agosto 8, 2011

    Iracema foi o primeiro livro de literatura clássica que eu li, devia ter uns 10 anos, na época lembro que li ele rápido, apesar da linguagem mais culta, mas eu gostei do livro, não me lembro da estória em sua totalidade, mas algumas partes ainda estão na minha cabeça. Adorei a resenha de hoje, eu adoro clássicos, esse mesmo eu li antes de Harry Potter, que foi quando comecei mesmo a ler. Vou aproveitar a oportunidade e comprar o livro para reler, o que eu li foi emprestado.
    Bjs

  • Gessy agosto 8, 2011

    Muitas pessoas passam a odiar esse livro na adolescência, é um daqueles clássicos que os professores nos obrigam a ler para depois realizarmos seminários e coisas desse tipo. E isso é lamentável, pois de fato esse livro é bom, mas é preciso muita paciência e muitas consultas ao dicionario para entendê-lo. Li ele a bastante tempo e para dizer a verdade me lembro mais claramente do final. Iracema = América. Inesquecível!
    (:

  • Caline agosto 8, 2011

    Oi Thais, já li muitos clássico da literatura nacional e meu autor preferido sem dúvida é José de Alencar, mas preciso confessar que achei Iracema massante e chato demais, só terminei de ler porque me propus a isso mas demorou bastante até que eu chegasse ao final.

    Xero.
    Caline – Mundo de Papel

  • Deia agosto 8, 2011

    Esse é um dos autor que menos gosto, mas a comparação dele é interessante mesmo!

    bjinhos

  • Andressa Bernardes agosto 8, 2011

    Socorro.
    #Medo deste livro.
    Não gosto, tive grandes dificuldades na leitura dele e foi terrível =X , traumatizei IAOHSOA

  • mara agosto 9, 2011

    ohhhh eu amo esse livro simplesmente não troco, não dou e não empresto é um livro que é pura historia brasileira que fala da chegada do homem branco, da nossa mistura de raças é um lindo romance muito bom.

  • Joelma Alves agosto 9, 2011

    Quando tiver oportunidade vou lermais clássicos nacionais. Resenha Memórias de um Sargento de Milícias, adorei esselivro, é bem engraçado!!

    ^^

  • Mari Sampaio agosto 12, 2011

    Quando se inicia a leitura de tais clássicos, por se tratar de um português meio arcaico, a compreensão pode ser prejudicada, mas insisto que tentem desvendar as palavras e descobrir o lindo significado de tão complicadas palavras!
    Iracema é um dos textos mais lindos, e a linguagem rebuscada ajuda a ressaltar essa beleza!!

    Muito legal a resenha, Thais!

    Beijinhos!

    Mariana Sampaio
    Blog Tijolinhos de Papel